Economia dos EUA afunda 32,9% na maior queda desde os anos 40

O Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA caiu 32,9% entre abril e junho, uma quebra recorde provocada pelo impacto da pandemia.

A economia norte-americana contraiu 32,9% em termos homólogos no segundo trimestre, uma queda histórica no Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA provocada pelo choque do coronavírus, de acordo com a primeira estimativa divulgada esta quinta-feira pelo Departamento do Comércio dos EUA. Esta é a queda mais elevada do PIB desde o início da série, em 1947, mas ficou abaixo do que era antecipado pelos economistas sondados pela Reuters.

Fonte: Reuters

Este afundar da maior economia do mundo dá-se num período que ficou marcado pelas restrições à atividade e por quedas no consumo das famílias e no investimento das empresas. Em maio, alguns Estados deram início a um desconfinamento gradual, mas o ressurgimento de surtos de Covid-19 em algumas regiões ditou novas medidas restritivas. No primeiro trimestre, a economia norte-americana já tinha contraído 5%.

Em simultâneo, o número de pedidos de subsídio de desemprego na última semana voltou a subir, alcançando 1,43 milhões, mostram os dados oficiais revelados esta quinta-feira.

Os números preliminares do PIB mostram que no segundo trimestre registam-se contrações significativas no consumo privado, exportações, inventários (“stocks”), investimento e consumo público, com todos os componentes a convergir para um colapso do PIB, que é, em termos simples, o resultado combinado de todos os bens e serviços produzidos durante um determinado período.

Esta é uma queda do PIB quase sem paralelo na história económica. Por comparação, o pior trimestre da última crise financeira, em 2008, registou uma contração de 8,4% no quarto trimestre desse ano. Antes disso, as contrações trimestrais do PIB estiveram, no máximo, na casa dos 10%.

Apesar de ter começado a recuperar em maio, a economia norte-americana continua condicionada pela crise pandémica. Ainda esta quarta-feira o presidente da Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, disse que a atividade económica continua “muito abaixo” dos níveis pré-coronavírus e que há sinais de que o aumento do número de infetados está a afetar a capacidade de recuperação económica.

(Notícia atualizada às 14h23 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia dos EUA afunda 32,9% na maior queda desde os anos 40

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião