Máscaras e desinfetante. Teletrabalho. Ação. O “novo normal” na revista Pessoas

  • Pessoas
  • 30 Julho 2020

Nova edição da revista Pessoas dá a conhecer as novas práticas empresariais que se tornaram rotina, da indústria à tecnologia. E publica entrevista com o secretário de Estado para a Transição Digital.

Capa da revista Pessoas #9, de julho/agosto de 2020.D.R.

De um dia para o outro, pararam as máquinas. Durante três semanas, a Vista Alegre não produziu uma única peça em nenhuma das três fábricas que a empresa tem em Portugal. O desafio de parar a produção foi olhado com preocupação mas, ao mesmo tempo, como uma oportunidade: uma espécie de “desconto de tempo” para pensar no que fazer depois.

“Numa primeira fase, quisemos tranquilizar as pessoas para se sentirem em segurança. Conseguimos um acordo generalizado de antecipação do período de férias, que normalmente tem lugar em agosto. Essa medida foi extremamente importante porque, além de manifestar compreensão por parte das pessoas em relação ao momento que estávamos a viver, deu-nos tempo para entender a pandemia”, começa por contar Nuno Marques, presidente do conselho de administração da Vista Alegre, em conversa com a Pessoas.

Da indústria à tecnologia, as empresas foram mudando processos, forçando adaptações e adotando ao “novo normal”. E o departamento de recursos humanos foi um dos mais desafiados nessa jornada.

Na 9.ª edição da revista Pessoas, fomos conversar com empresas industriais e tecnológicas para perceber de que maneira a pandemia lhes afetou o negócio mas, sobretudo, o seu dia-a-dia. Visitámos escritórios pouco ocupados, desinfetámos as mãos dezenas de vezes e descobrimos de que forma até as fábricas mais tradicionais se reinventaram para continuarem a produzir reduzindo o risco de contágio. A nova edição inclui ainda um especial sobre “Teletrabalho para sempre” e uma entrevista a André de Aragão Azevedo, secretário de Estado para a Transição Digital, sobre as novas formas de trabalhar.

A capa da Pessoas n.º9, já nas bancas.D.R.

A nova revista Pessoas já está nas bancas. Pode comprá-la no seu quiosque habitual ou assiná-la aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Máscaras e desinfetante. Teletrabalho. Ação. O “novo normal” na revista Pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião