Máscaras e desinfetante. Teletrabalho. Ação. O “novo normal” na revista Pessoas

  • Pessoas
  • 30 Julho 2020

Nova edição da revista Pessoas dá a conhecer as novas práticas empresariais que se tornaram rotina, da indústria à tecnologia. E publica entrevista com o secretário de Estado para a Transição Digital.

Capa da revista Pessoas #9, de julho/agosto de 2020.D.R.

De um dia para o outro, pararam as máquinas. Durante três semanas, a Vista Alegre não produziu uma única peça em nenhuma das três fábricas que a empresa tem em Portugal. O desafio de parar a produção foi olhado com preocupação mas, ao mesmo tempo, como uma oportunidade: uma espécie de “desconto de tempo” para pensar no que fazer depois.

“Numa primeira fase, quisemos tranquilizar as pessoas para se sentirem em segurança. Conseguimos um acordo generalizado de antecipação do período de férias, que normalmente tem lugar em agosto. Essa medida foi extremamente importante porque, além de manifestar compreensão por parte das pessoas em relação ao momento que estávamos a viver, deu-nos tempo para entender a pandemia”, começa por contar Nuno Marques, presidente do conselho de administração da Vista Alegre, em conversa com a Pessoas.

Da indústria à tecnologia, as empresas foram mudando processos, forçando adaptações e adotando ao “novo normal”. E o departamento de recursos humanos foi um dos mais desafiados nessa jornada.

Na 9.ª edição da revista Pessoas, fomos conversar com empresas industriais e tecnológicas para perceber de que maneira a pandemia lhes afetou o negócio mas, sobretudo, o seu dia-a-dia. Visitámos escritórios pouco ocupados, desinfetámos as mãos dezenas de vezes e descobrimos de que forma até as fábricas mais tradicionais se reinventaram para continuarem a produzir reduzindo o risco de contágio. A nova edição inclui ainda um especial sobre “Teletrabalho para sempre” e uma entrevista a André de Aragão Azevedo, secretário de Estado para a Transição Digital, sobre as novas formas de trabalhar.

A capa da Pessoas n.º9, já nas bancas.D.R.

A nova revista Pessoas já está nas bancas. Pode comprá-la no seu quiosque habitual ou assiná-la aqui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Máscaras e desinfetante. Teletrabalho. Ação. O “novo normal” na revista Pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião