Profissionais em teletrabalho sentiram que a pandemia afetou mais as suas vidas

  • Lusa
  • 30 Julho 2020

Os profissionais que estiveram a trabalhar a partir de casa sentiram que o surto de Covid-19 afetou "mais severamente as suas vidas" do que aqueles que continuaram a trabalhar presencialmente.

Profissionais que estiveram em teletrabalho sentiram que a pandemia afetou “mais severamente as suas vidas”, comparativamente com trabalhadores que continuaram a exercer a sua profissão presencialmente, concluiu um estudo do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

“Dados de inquérito aplicado à população revelam que profissionais em teletrabalho sentiram que a pandemia afetou mais severamente as suas vidas e sentiram um maior impacto emocional, comparativamente a profissionais que continuaram a exercer a sua profissão presencialmente”, divulgou hoje o Centro de Estudos Sociais (CES), em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

O estudo, que está integrado numa parceria internacional que envolve mais de 40 universidades nos cinco continentes (30 países), procura avaliar os impactos da pandemia de covid-19 ao nível do bem-estar psicológico e relacional, em indivíduos casados ou numa relação amorosa, comparando as respostas dos participantes durante a fase de confinamento e durante o desconfinamento progressivo.

Os inquiridos do género feminino “revelaram sentir maior impacto emocional face à pandemia”, sendo que todos os participantes referem uma diminuição do impacto da pandemia nas suas vidas após o desconfinamento.

Os resultados preliminares também sugerem “uma redução da satisfação conjugal” da fase de confinamento para a fase de desconfinamento, sendo o resultado “mais evidente no caso dos participantes do género feminino”, refere o CES.

De acordo com a nota, os dados sugerem também que “quanto pior for a satisfação conjugal, mais elevados serão os indicadores de depressão, ansiedade e stress, tendo este resultado sido mais saliente” na fase de confinamento.

A satisfação dos participantes em relação à habitação também revelou ser uma variável importante na forma como as pessoas vivem a pandemia, confirmando as conclusões de um outro estudo da Universidade de Coimbra em torno dessa área.

O estudo, liderado pela Universidade do Estado do Arizona (EUA), contou com 556 participantes na fase de confinamento em Portugal e 139 na fase de desconfinamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Profissionais em teletrabalho sentiram que a pandemia afetou mais as suas vidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião