Quatro em cada cinco novas contas low cost resultam de conversões

No final de junho existiam 117.491 contas de SMB, um aumento de 13,4% face ao total existente no fim de 2019.

Apesar de a um ritmo menos acelerado, as contas “low cost” continuam a atrair os portugueses. O número de contas de serviços mínimos bancários (SMB) atingiu no final do primeiro semestre um novo recorde superior a mais de 117 mil. Nos primeiros seis meses do ano foram abertas mais de 15,5 mil contas com essas características sendo que o grosso correspondeu a conversões. Mais em específico, quatro em cada cinco.

Segundo o Banco de Portugal, no final de junho existiam 117.491 contas de SMB, um aumento de 13,4% face ao total existente no final de 2019. Ainda assim, uma desaceleração face ao crescimento de 31,6% que tinha sido registado no semestre anterior.

Na primeira metade do ano, foram abertas 15.529 contas “low cost”, das quais 78,5% (12.188) resultaram da conversão de uma conta de depósito à ordem existente na instituição de crédito, enquanto as restantes (3.341) corresponderam a novas contas. Ou seja, cerca de quatro em cada cinco resultaram de conversões.

A opção por converter uma conta tradicional por uma “low cost” enquadra-se num contexto de agravamento dos custos associados à detenção de contas bancárias, resultando assim numa solução mais em conta. Este serviço tem um custo anual que no limite pode chegar a 4,38 euros por ano, valor correspondente a 1% do Indexante de Apoios Sociais (IAS).

Segundo o regulador liderado por Mário Centeno, foram ainda encerradas 1.666 contas de SMB, das quais 85,2% (1.420) por iniciativa do cliente e as restantes (246) da instituição.

A adesão dos portugueses às contas “low cost” enquadra-se num contexto de maior promoção da disponibilidade deste serviço que é obrigatória pelos bancos, mas também da maior flexibilização do seu acesso que veio “abrir a porta” a mais clientes.

O Banco de Portugal dá assim nota que no final do primeiro semestre existiam 5.302 contas de SMB de titulares com mais de 65 anos ou um grau de invalidez igual ou superior a 60% contituladas por detentores de outras contas de depósito à ordem. Existiam também 1.313 outras cujos titulares eram contitulares de outras contas SMB (detidas por pessoas com mais de 65 anos ou um grau de invalidez igual ou superior a 60%). Essas situações só passaram a ser abrangidas pelas contas de SMB há relativamente pouco tempo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quatro em cada cinco novas contas low cost resultam de conversões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião