Lucro da CGD cai 40% após por de lado 156 milhões para a crise

O banco público registou uma quebra de 40% dos lucros para 249 milhões de euros, descida explicada pelas imparidades e provisões de 156 milhões.

Os lucros da Caixa Geral de Depósitos (CGD) afundaram 40% para 249 milhões de euros no primeiro semestre do ano, isto depois de ter registado imparidades e provisões de 156 milhões para responder a eventuais problemas da crise provocada pela pandemia.

A descida nos resultados do banco público acompanham a tendência do setor, com os bancos a colocarem dinheiro de lado de precaução para fazer face à deterioração da economia e às implicações que isso terá ao nível dos incumprimentos de crédito da parte de empresas e famílias.

Porém, no caso da CGD, há outros fatores relevantes a explicar esta quebra, nomeadamente o facto de há um ano ter vendido o banco em Espanha, que teve um impacto positivo não recorrente de 135 milhões. Por outro lado, desta vez, há a contabilizar um ganho extraordinário de 51 milhões de euros decorrentes de ganhos atuariais.

Feitas as contas, tirando efeitos extraordinários, o lucro é de 198 milhões, uma redução de 30% face ao resultado corrente do ano passado.

A margem financeira caiu 7,9% para 519 milhões de euros. O produto global da atividade cedeu 10% para 810 milhões, com os rendimentos com comissões a descerem 3% para 297 milhões de euros.

Do lado do balanço, a carteira de crédito caiu 2,3% para 48,3 mil milhões de euros, ainda que a CGD tenha aproveitado as linhas Covid-19 e do BEI para dar financiamento de mais de mil milhões de euros.

Quanto aos depósitos, o banco tem agora mais de 70 mil milhões de euros, uma subida de 7,5%.

“O que corre bem: a Caixa aumentou o seu volume de negócios, atraiu cinco mil milhões de depósitos, o que é um sinal de confiança no banco”, destacou Paulo Macedo.

Em relação à qualidade dos ativos, a CGD registou melhorias substanciais, antes do impacto da crise: o rácio de NPL (non performing loans) baixou de 7,3% para 4,4%, enquanto a cobertura de NPL aumentou de 64,7% para 87,5%.

A CGD chegou a junho com um rácio de capital total fully implemented de 19,1%, uma subida de quase dois pontos percentuais face ao rácio que tinha há um ano.

(Notícia atualizada às 18h25)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da CGD cai 40% após por de lado 156 milhões para a crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião