CGTP avisa que dados do desemprego não refletem “o grande aumento”

  • Lusa
  • 5 Agosto 2020

A CGTP afirmou que os dados oficiais do desemprego divulgados pelo INE “não refletem o grande aumento verificado” no segundo trimestre, e exigem medidas como a proibição dos despedimentos.

A CGTP afirmou esta quarta-feira que os dados do desemprego divulgados pelo INE “não refletem o grande aumento verificado” no segundo trimestre e exigiu ao Governo “medidas efetivas de relançamento da economia” como a proibição dos despedimentos.

“Os dados divulgados esta quarta-feira não refletem o grande aumento verificado, já que, apesar da gradual reabertura da atividade económica, muitos desempregados não são assim classificados pelo INE [Instituto Nacional de Estatística] pelo facto de não fazerem diligências para procurar emprego, um fenómeno que tem atualmente maior relevância devido às restrições à mobilidade associadas à pandemia ocorridas no período em análise”, pode ler-se no comunicado da intersindical.

A CGTP refere que no segundo trimestre estimam-se “749 milhares de pessoas nessa situação (mais 11% do que no ano passado) e que a taxa correspondente (taxa de subutilização do trabalho) fosse de 14%, também superior quer ao trimestre anterior (12,9%), quer ao homólogo (12,4%)”, salientando que “as mulheres são particularmente afetadas, com uma taxa de 15,3% face aos 12,7% entre os homens”.

Além disso, segundo a central sindical, “pouco mais de 1/3 do número real de desempregados tem acesso à proteção no desemprego, sendo o valor médio das prestações de desemprego de apenas 507 euros, pouco acima do limiar de pobreza”.

Face a esta situação a CGTP exige “medidas efetivas de relançamento da economia, que rompam com a política laboral de direita, que passam nomeadamente pelo reforço do investimento público, pelo pagamento integral dos salários aos trabalhadores, pela proibição dos despedimentos e pela estabilidade no emprego, pela efetivação do direito à contratação coletiva e pelo reforço da proteção social no desemprego”.

A taxa de desemprego foi de 5,6% no segundo trimestre, abaixo do primeiro trimestre e do período homólogo, enquanto a população inativa aumentou para 3,8 milhões de pessoas, na maior variação desde 2011, segundo o INE.

De acordo com o INE, entre abril e junho, “a taxa de desemprego foi 5,6%, valor inferior em 1,1 pontos percentuais ao do trimestre anterior [6,7%] e em 0,7 pontos percentuais ao do trimestre homólogo de 2019 [6,3%]”.

Já a população inativa (com 15 e mais anos) fixou-se em 3.886,7 mil pessoas no segundo trimestre, mais 5,7% face ao trimestre anterior e 7,5% em relação ao mesmo período de 2019, referindo o INE que “nunca antes, na série de dados iniciada em 2011, se havia registado variações trimestrais e homólogas tão elevadas”.

A taxa de inatividade das mulheres (48,2%) excedeu a dos homens (38,5%), ambas aumentando nas variações trimestral e homóloga.

O INE justifica com o “aumento da população inativa que, embora disponível, não procurou trabalho, estimada em 312,1 mil pessoas”, um aumento de 87,6% em relação ao trimestre anterior (145,7 mil pessoas) e de 85,6% relativamente ao período homólogo (143,9 mil pessoas).

Ainda segundo o INE, este aumento da população inativa deve-se, em parte, por 41,8% dos desempregados no primeiro trimestre terem transitado para a situação de inatividade no segundo trimestre.

O INE explica ainda que é este fluxo (de desempregados que passam a inativos) que explica “fundamentalmente” a redução da taxa de desemprego no segundo trimestre, “movimento que poderá ser invertido pela maior facilidade de mobilidade e interação social, e consequente procura de emprego, como indicia o aumento da taxa de desemprego de junho já publicada [7%]”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGTP avisa que dados do desemprego não refletem “o grande aumento”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião