Vendas a retalho retomam em junho níveis pré-pandemia na UE

  • ECO e Lusa
  • 5 Agosto 2020

O comércio a retalho na União Europeia melhorou em junho face a maio, retornando a níveis registados em fevereiro, antes das medidas de confinamento impostas devido à pandemia da Covid-19.

O comércio de retalho retomou, em junho, na Zona Euro e na União Europeia (UE) os níveis registados em fevereiro, antes das medidas de confinamento impostas devido à pandemia da Covid-19, segundo dados esta quarta-feira divulgados pelo Eurostat.

Na comparação homóloga, em junho as vendas a retalho cresceram 1,3% tanto na Zona Euro como na UE, pondo fim a um ciclo de três meses de recuos que tiveram o seu pico em abril e regressando aos níveis positivos de fevereiro. Na variação em cadeia, o comércio de retalho avançou em junho 5,7% na Zona Euro e 5,2% na UE.

Em junho, as vendas de alimentos, bebidas e tabaco foram semelhantes aos níveis registados em fevereiro deste ano (1,3% abaixo de fevereiro de 2020), enquanto para alguns grupos de produtos não alimentícios ainda existe uma lacuna considerável entre o momento atual e o período antes das medidas aplicadas para travar a pandemia.

Taxas de crescimento do volume do comércio a retalho por grupos de produtos na UEFonte: Eurostat

Segundo o gabinete de estatística europeu, as vendas de têxteis, roupas e calçados representaram, em junho, apenas cerca de três quartos do que foi vendido em fevereiro (22,4% abaixo de fevereiro de 2020). Ao mesmo tempo, ainda que em menor escala, as vendas de combustíveis automóveis (-12,5%), equipamentos de informática e livros (-8,3%), bem como produtos farmacêuticos e médicos (-5,9%) também permaneceram abaixo dos níveis pré-covid-19.

Nota positiva para os pedidos por correio e o volume da Internet que aumentaram 17,4% em relação a fevereiro de 2020.

As maiores subidas homólogas do volume de vendas a retalho foram registadas na Irlanda (10,2%), na Estónia (6,6%) e na Dinamarca (6,5%), enquanto os recuos mais pronunciados se observaram na Bulgária (-18,1%), em Malta (-8,4%) e no Luxemburgo (-7,7%).

Face a maio, a Irlanda (21,9%), a Espanha (16,5%) e a Itália (13,8%) foram os países onde as vendas a retalho mais cresceram e foram registadas apenas duas quebras: na Áustria (-2,5%) e na Alemanha (-1,6%).

Em Portugal, o indicador recuou 6,3% na variação homóloga e cresceu 4,4% face a maio. A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 694 mil mortos, incluindo 1.739 em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas a retalho retomam em junho níveis pré-pandemia na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião