Cofina regista quebra de receitas de 20% no primeiro semestre

  • Lusa
  • 10 Agosto 2020

No acumulado do semestre, a quebra nas receitas totais foi de 20%, com um decréscimo de 21% na receita de circulação, 29% na receita de publicidade e 7% nas restantes receitas.

O grupo Cofina registou uma quebra das receitas de 20% no primeiro semestre, num período assinalado pelo surgimento e prevalência da pandemia de Covid-19, mas o resultado operacional manteve-se positivo, indica um comunicado da administração divulgado no domingo.

Segundo um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) sobre a “evolução do negócio no contexto Covid-19”, que não apresenta ainda os valores absolutos das diferentes rubricas, no primeiro trimestre as receitas da Cofina sofreram uma quebra de 8%, se comparada com o mesmo período de 2019.

A Cofina alerta que o resultado líquido do primeiro semestre será negativo e indica que vai proceder à publicação das contas relativas a este período quando se encontrarem “concluídas e aprovadas”.

Após a declaração da pandemia de Covid-19 e a declaração do estado de emergência e confinamento que se lhe seguiu, “as receitas totais acumuladas no primeiro trimestre passaram a refletir uma variação negativa de 8%, quando comparadas com o período homólogo de 2019, com um decréscimo de 10% de receita de circulação, um decréscimo de 8% nas receitas de publicidade e um decréscimo de 2% nas restantes receitas”, indica o texto.

A administração da sociedade acrescenta que, no segundo trimestre, foi registada uma quebra das receitas de perto de 32%, com um decréscimo de 32% na receita de circulação, 45% na receita de publicidade e 12% nas restantes.

“Em consequência do exposto, no acumulado do semestre, a quebra nas receitas totais foi de 20%, com um decréscimo de 21% na receita de circulação, 29% na receita de publicidade e 7% nas restantes receitas”, acrescenta o documento.

O grupo sublinha as “condições materialmente adversas para toda a economia” derivadas do surto epidemiológico, sublinhando “que se sentiram fortemente no setor dos media”.

O comunicado sublinha que a sociedade adotou de imediato “medidas de redução e absoluto controlo de custos” e que permitiu que, no acumulado do primeiro semestre de 2020, o resultado operacional permaneça positivo.

“O resultado operacional, apesar de incorporar os custos com a operação de aquisição da Media Capital e outros custos não recorrentes, [permanece] claramente positivo, assim como o EBITDA que, apesar de ter sofrido uma redução, permanece igualmente positivo”, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina regista quebra de receitas de 20% no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião