Francisco Assis avisa que aumento do salário mínimo deve ser acompanhado com ponderação

  • Lusa
  • 13 Agosto 2020

O presidente do Conselho Económico e Social (CES) acredita que a possibilidade de um aumento do salário mínimo nacional deve ser um assunto acompanhado com cuidado dada a crise que se vive.

O presidente do Conselho Económico e Social (CES), Francisco Assis, defendeu esta quinta-feira que a possibilidade de um aumento do salário mínimo nacional deve ser um assunto acompanhado com ponderação e cuidado face à crise impulsionada pelo coronavírus.

“Enquanto presidente [do CES] diria que este assunto tem que ser acompanhado com ponderação e com cuidado. Vivemos circunstâncias particularmente difíceis e, neste contexto, há que agir com muita ponderação e creio que essa ponderação tem prevalecido na resposta que tem sido dada, quer do ponto de vista político, quer do ponto de vista económico e social”, afirmou Francisco Assis aos jornalistas, após uma audiência com o Presidente da República, ressalvando que não podia falar pelo CES, no seu todo, uma vez que o conselho ainda não está plenamente constituído.

O antigo líder parlamentar do PS disse ainda acompanhar o tema com atenção, “ouvindo todos os setores e percebendo as dificuldades” com que estão confrontados. Para o responsável, a crise potenciada pela pandemia veio “alterar substancialmente” a realidade e, por isso, este deve ser um fator a ter em atenção. O presidente do CES não quis comentar possíveis valores de aumento, sublinhando que esse vai ser, “seguramente, um assunto importante” nas reuniões de Concertação Social.

“A situação alterou-se radicalmente nos últimos meses. Todos esperamos que seja uma crise que passe o mais depressa possível. Se assim acontecer, provavelmente, dentro de um ano ou dois, todos […] estarão em condições de afirmar, plenamente, os seus compromissos, mas é preciso ver que, neste momento, estamos a viver uma situação especialmente dramática”, vincou.

Marcelo Rebelo de Sousa não prestou declarações no final da reunião. No sábado, o Presidente disse que vai “esperar para ver” o resultado das negociações, em sede de Concertação Social, sobre o aumento do salário mínimo. “É uma questão que envolve vários parceiros e, portanto, é prematuro estar a comentar aquilo que é um processo em curso”, declarou, na altura, na ilha do Porto Santo, onde esteve de férias.

“Vamos passar momentos muito exigentes”

Francisco Assis ressalvou ainda que o país vai enfrentar “momentos muito exigentes” nos próximos meses face à crise gerada pela pandemia. “Todos temos uma noção muito clara de que vamos passar momentos muito exigentes nos próximos meses e creio que é muito importante que haja esta disponibilidade para o diálogo e, para mim, foi, naturalmente, muito gratificante poder hoje ter vindo ao Palácio de Belém”, afirmou.

Este responsável vincou ainda que o Presidente da República, como tem “referido publicamente”, está “preocupado, mas, ao mesmo tempo, empenhado em que se encontrem as melhores soluções ao nível político, económico e social” para fazer face à crise.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Francisco Assis avisa que aumento do salário mínimo deve ser acompanhado com ponderação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião