Salário Mínimo não foi discutido com partidos à esquerda, diz Siza Vieira

  • ECO
  • 13 Agosto 2020

Siza Vieira não teme uma crise política na aprovação do OE de 2021, seria algo "incompreensível" e diz que na Efacec "vão valorizar, não apenas o encaixe financeiro, mas também a visão estratégica".

O tema não foi sequer objeto de discussão entre o Governo, o PCP, o Bloco de Esquerda, o PEV, o PAN”. É desta forma que o ministro da Economia responde, em entrevista ao Observador (acesso pago) a uma eventual subida do salário mínimo.

Questionado sobre se há margem para aumentar o salário mínimo nos termos em que foi acordado com o PCP e o Bloco de Esquerda, Siza Vieira foi claro: “Não é uma questão que se coloque agora”. O número dois do Governo não teme uma crise política na aprovação do Orçamento de Estado de 2021 até porque “o país não admite, não concebe que o sistema político e partidário não consiga dar uma resposta política estruturada num contexto em que estamos a viver tantas dificuldades do ponto de vista económico e social”. “Neste contexto tão difícil, mas ao mesmo tempo em que temos estes recursos europeus à nossa disposição, vir a pensar que se cria no Parlamento uma crise política porque os partidos que trabalharam juntos durante cinco anos não têm capacidade para se entender nesta altura. Acho incompreensível. E nem sequer concebo”, rematou em entrevista ao programa “Sob Escuta”, da Rádio Observador.

Quanto à privatização da Efacec, Siza Vieira disse estar “convicto de que há muitos interessados na Efacec”. “Podem estar interessados numa parte do negócio ou estarem interessados no negócio como um todo. Na venda, provavelmente vamos valorizar, não apenas o encaixe financeiro mas também a visão estratégica para a empresa“, sublinhou garantindo que Isabel dos Santos poderá vir a receber do Estado português pela participação de 70% que tinha na empresa. “O Estado é obrigado a determinar o valor daquela participação e pagar a quem provar que essa indemnização é devida. Pode ser a engenheira Isabel dos Santos, podem ser os bancos que são credores delas”, explicou o ministro lembrando que “num Estado de Direito não se confisca”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salário Mínimo não foi discutido com partidos à esquerda, diz Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião