Cofina dispara 18% após rever OPA sobre a Media Capital

A empresa de media brilha num arranque de sessão "morno" na praça bolsista nacional, depois de na quarta-feira ao final do dia ter lançado uma OPA geral sobre a Media Capital.

A Cofina brilhou no arranque de uma sessão morna na praça bolsista nacional. As suas ações disparavam 9%, tendo entretanto acelerado os ganhos para 18%, depois de o grupo de media liderado por Paulo Fernandes ter revisto as condições da oferta em curso sobre a Media Capital, lançando uma nova OPA sobre a totalidade da dona da TVI. Os títulos da Media Capital, por sua vez, não sofreram ainda qualquer oscilação.

Já no PSI-20 o arranque de sessão estava a ser marcado por perdas muito ligeiras — 0,16% para os 4.474,37 pontos — com o índice bolsista português a acompanhar a tendência dos pares europeus. O Stoxx 600 — índice que agrega as principais capitalizações do velho Continente — desce 0,3%.

Inevitavelmente, o destaque da sessão bolsista portuguesa recai sobre a Cofina. As ações da empresa de media aceleram 18%, para os 26 cêntimos, com os investidores a reagirem positivamente ao relançamento da oferta pública de aquisição (OPA) sobre a Media Capital cujos títulos ainda não sofreram qualquer oscilação (2,12 euros), o que não poderá ser dissociado do facto de a sua liquidez bolsista ser muito curta.

A OPA é uma versão modificada da oferta lançada em setembro de 2019, sendo agora a contrapartida oferecida de 0,415 euros por cada ação da Media Capital, sendo sujeita a várias condições.

Cotada de fora do PSI-20, as ações não interferem assim na evolução do índice bolsista nacional que segue no vermelho, apesar de com um recuo muito ligeiro.

Entre os títulos que mais pressionam o índice está a EDP. As ações da elétrica recuam 0,77%, para os 4,383 euros. No mesmo sentido, segue o BCP com um deslize de 0,37%, para os 10,67 cêntimos.

(Notícia atualizada pela última vez às 11h30 com cotação da Cofina)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina dispara 18% após rever OPA sobre a Media Capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião