Qual é o sapato mais caro made in Portugal? É feito com pele de alligator do Mississípi e pode custar 7.500 euros

O sapato mais caro made in Portugal é masculino, tem linhas clássicas e é de pele exótica de alligator do Mississípi. Um par pode custar, em média, entre 4.000 a 7.500 euros.

Portugal é conhecido mundialmente pela indústria do calçado e está na lista dos 20 melhores produtores. Os consumidores de várias nacionalidades estão dispostos a pagar mais pelo sapato português e o facto de ter a etiqueta a dizer Made in Portugal aumenta em 28% o valor do sapato.

Pele, confeção, matéria-prima, mão-de-obra, design, marca. Existem sapatos para todos os gostos e preços, mas afinal qual é o mais caro made in Portugal? É um sapato masculino de luxo com linhas clássicas e pele de alligator do Mississípi. Um par de sapatos pode custar, em média, entre 4.000 a 7.500 euros.

A empresa Calçado Centenário comprova que o sapato mais caro é o de pele de alligator do Mississípi que pode custar entre 6.500 a 7.500 euros. “O modelo mais caro que fizemos foi com pele de alligator do Mississípi especial. Cada par de sapatos gastava quase três peles de animal”, conta o diretor comercial da Centenário, Hugo Ferreira.

À semelhança da Centenário, na Carlos Santos Shoes o sapato mais caro também é o masculino com pele exótica de alligator do Mississípi, sendo que o preço pode variar entre os 4.000 a 5.000 euros. O presidente da empresa Carlos Santos Shoes, Carlos Santos, explica ao ECO que dentro das peles exóticas, as “melhores peles são a do alligator do Mississípi. A origem tem muita influência na qualidade e dentro do horizonte da pele de crocodilo existem vários patamares a nível de qualidade”, refere.

 

Face ao preço praticado no mercado, este tipo de calçado é vendido em lojas de luxo. “São peles que custam, para nós, 20 euros por centímetro e cada pele custa em média 900 euros por pele”, explica o diretor comercial da Centenário, Hugo Ferreira.

Nem todos se podem dar ao luxo de ter um par de sapatos de pele de alligator do Mississípi. O presidente da Carlos Santos Shoes adianta que “são pedidos muitos esporádicos vindos de clientes muitos específicos”. O presidente da empresa de calçado português conta que este tipo de cliente é na sua grande maioria estrangeiros, de todos os cantos do mundo. “Naturalmente existem determinados tipos de cultura como os árabes e/ou russos que gostam de ostentar um sapato deste género”, conta Carlos Santos.

Na Centenário, este tipo de clientes é essencialmente de origem americana, mas Hugo Ferreira ressalta que também têm clientes do Médio Oriente à semelhança da Carlos Santos Shoes. Face ao preço e à especificidade do cliente, são pedidos muito poucas unidades por ano. “Podemos ter dois ou três pedidos por ano”, esclarece Carlos Santos. Na Centenário a procura é um pouco superior. “Se o cenário não fosse de pandemia, o normal seria vendermos meia dúzia deste tipo de sapato por ano“, constata o diretor comercial.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual é o sapato mais caro made in Portugal? É feito com pele de alligator do Mississípi e pode custar 7.500 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião