EUA apertam restrições a fornecimentos à Huawei

O Departamento do Comércio dos EUA apertou as restrições nos fornecimentos de tecnologia à Huawei, em mais uma escalada nas tensões comerciais sino-americanas.

O Departamento do Comércio dos EUA anunciou novas e apertadas restrições ao fornecimento de componentes tecnológicos à gigante chinesa Huawei. Mediante esta medida, a empresa fica impedida de adquirir processadores fabricados noutros países mas que usem tecnologia norte-americana.

As autoridades norte-americanas foram ainda mais longe e somaram 38 subsidiárias da Huawei em 21 países à chamada “lista de entidades”. Esta lista negra de facto inclui companhias para as quais as empresas dos EUA ficam impedidas de exportar tecnologia sem uma licença do Departamento do Comércio.

Entre as 38 empresas da Huawei não surge nenhuma subsidiária portuguesa. Contudo, inclui diversas unidades da Huawei na Europa, incluindo na Holanda, em França e na Alemanha, entre muitas outras jurisdições.

“A Huawei e as suas afiliadas têm alargado os esforços para obter semicondutores avançados desenvolvidos ou produzidos a partir de software ou tecnologia dos EUA de forma a ir ao encontro dos objetivos do Partido Comunista Chinês”, justificou o secretário do Comércio, Wilbur Ross.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA apertam restrições a fornecimentos à Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião