Ministério da Saúde reage à polémica do relatório de Reguengos e diz que “analisa todos relatórios que lhe chegam”

Questionado sobre se leu o relatório que a ministra Ana Mendes Godinho disse não ter lido, o secretário de Estado da Saúde respondeu que o Ministério da Saúde "analisa todos os relatórios".

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, garantiu que “o Ministério da Saúde analisa todos os documentos e todos os relatórios que lhe chegam”, quando questionado se leu o relatório da Ordem dos Médicos (OM) sobre um surto de Covid-19 num lar em Reguengos de Monsaraz. “Ninguém faz uma análise sem ler documentos e relatórios”, frisou.

As declarações, proferidas numa conferência de imprensa de balanço da pandemia, surgem depois da polémica entrevista da ministra da Segurança Social ao Expresso. Ana Mendes Godinho revelou não ter lido o referido relatório da OM, palavras que suscitaram diversas reações da oposição e do Presidente da República, com Marcelo Rebelo de Sousa a avisar que “é preciso” ler “todos” os relatórios.

Apesar de ter referido especificamente o relatório da OM na resposta, Lacerda Sales descartou comentar o caso concreto do surto num lar em Reguengos: “Obviamente que não vamos comentar esses documentos e esses relatórios, sendo matéria que está sob investigação do Ministério Público”, apontou, em declarações transmitidas pela RTP 3.

O secretário de Estado da Saúde continuou, afirmando ser “importante” dizer que todos os documentos, relatórios e pronúncias são “sempre bem-vindos”. “Não só para nos ajudar a apurar responsabilidades, mas, acima de tudo, para nos ajudar a melhorar — ajudar o Governo a melhorar –, protegendo estas faixas mais vulneráveis no caso dos idosos. E também para todos percebermos que é necessário mobilizar toda a sociedade civil em volta desta questão”, rematou.

Por sua vez, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, instada a responder à mesma questão, sobre se leu o relatório da OM, disse: “Temos a obrigação de ler os relatórios que nos chegam e retirar deles os ensinamentos e fazer sobre eles comentários e acrescentos porque nenhum relatório é completamente exaustivo”, respondeu, citada pela RTP.

Na entrevista publicada no sábado, Mendes Godinho diz também que “a dimensão dos surtos nos lares não é demasiado grande”. Um comentário que caiu mal junto da oposição, com o PSD a acusar a ministra de estar a desvalorizar o problema dos surtos nos lares e a indicar que pedirá audições com “urgência”, não só a Mendes Godinho como também a Marta Temido, ministra da Saúde. Já o líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, pediu a demissão de Mendes Godinho.

Já ao final da tarde de sábado, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social emitiu um “esclarecimento” onde considera que Ana Mendes Godinho foi “descontextualizada de forma grave”.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h56)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Ministério da Saúde reage à polémica do relatório de Reguengos e diz que “analisa todos relatórios que lhe chegam”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião