Galp testa serviço de “power banks” para carros elétricos no Algarve

A Galp lançou no Algarve um projeto piloto de "carregamento portátil" de baterias dos carros elétricos. É gratuito nesta fase, por 15 minutos, o suficiente para 35 quilómetros extra de autonomia.

A Galp está a testar o “carregamento portátil” de automóveis no Algarve.Galp Energia

Ficar sem bateria no telemóvel é uma fobia que afeta muita gente, mas é provável que ficar sem bateria no carro elétrico cause um transtorno bem maior. Quando acontece, chamar um reboque será o mais sensato… a não ser que esteja no Algarve, onde a Galp está a testar um novo serviço de carregamento portátil de elétricos, quase à semelhança das power banks.

A empresa aposta num “conceito pioneiro de carregamento portátil de veículos elétricos”, que permite aos clientes “requisitar o serviço em local e hora da sua conveniência”. A ideia já está em fase piloto na região sul do país, durante o qual “os carregamentos serão gratuitos e terão a duração de 15 minutos cada, o que permitirá uma autonomia de até 35 quilómetros, dependendo do modelo do veículo”, anunciou a Galp Energia em comunicado.

Assim, nesta primeira fase, “os condutores de veículos elétricos que estejam no Algarve vão poder recarregar as baterias dos seus automóveis com recurso a esta tecnologia agora em teste, que foi desenvolvida pela startup portuguesa AddVolt”, informa a Galp. Para já, o serviço estará disponível até 22 de agosto e pode ser solicitado por quem tenha estacionado na praia da Quinta do Lago, praia do Ancão ou Avenida Infante Sagres (Quarteira), ou ainda nas áreas de serviço Galp de Loulé na A22, e na avenida V6 em Portimão. Também há limitações de horários.

Da parte da Galp, o piloto permitirá “aferir o interesse dos consumidores por esta solução mais conveniente, que poderá complementar a atual rede instalada de carregadores”. O grupo entende ainda que a solução poderá “contribuir ao mesmo tempo para a mitigação de eventuais constrangimentos na rede, por excesso de procura”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp testa serviço de “power banks” para carros elétricos no Algarve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião