PSD exige conhecer “todos os relatórios” sobre o lar de Reguengos de Monsaraz

Além de ouvir Ana Mendes Godinho e Marta Temido, o PSD quer que o Governo e a Ordem dos Médicos entreguem "todos os relatórios" sobre o lar de Reguengos de Monsaraz.

O PSD pediu, através das comissões parlamentares da saúde e a do trabalho e segurança social, ao Governo e à Ordem dos Médicos “todos os relatórios” sobre a situação do lar de Reguengos de Monsaraz. Os social-democratas querem que “toda a verdade seja apurada”.

“A par do requerimento para que a Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e a Ministra da Saúde sejam ouvidas no Parlamento para ‘ser apurada a atuação dos respetivos Ministérios no que respeita aos estabelecimentos destinados aos cidadãos mais idosos’, o PSD quer conhecer todos os relatórios sobre a situação do lar de Reguengos de Monsaraz“, anuncia o grupo parlamentar em comunicado esta terça-feira.

Esse pedido foi feito ao Governo e à Ordem dos Médicos, através das comissões parlamentares da saúde e a do trabalho e segurança social, “para que os relatórios sejam divulgados e toda a verdade seja apurada”. Na segunda-feira, o partido liderado por Rui Rio tinha entregado um requerimento para que Marta Temido e Ana Mendes Godinho sejam ouvidas no Parlamento.

No requerimento, o PSD considera ser preciso esclarecer “a atuação dos Ministérios do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e da Saúde, nas respetivas áreas de atuação, relativamente aos lares de idosos, bem como dar a conhecer as medidas e ações para este setor, quer a nível de recursos humanos, especialmente em termos de pessoal clínico, quer de financiamento e regras de conduta, neste último caso particularmente em termos de planos de contingência, com vista a minimizar ou evitar o aparecimento de novos surtos de Covid-19 nas referidas instituições”.

Logo no sábado, o deputado do PSD dedicado à área da saúde, Ricardo Baptista Leite, criticou duramente a ministra no Twitter, com o apoio de Rui Rio, ao acusar Mendes Godinho de desvalorizar o problema e de descartar responsabilidades. “Como é possível?! Os mais velhos não podem ser vítimas dos jogos e irresponsabilidade do Governo“, alertou.

Os social-democratas reagiam assim às declarações de Mendes Godinho em entrevista publicada pelo Expresso no sábado onde admitiu que não leu o relatório da Ordem dos Médicos sobre o caso do lar em Reguengos. Entretanto, esta terça-feira, a ministra garantiu já ter lido todos os relatórios sobre o caso em particular. “Logo no dia 12 de julho, pedi à Segurança Social que fizesse uma avaliação e desencadeasse toda uma análise do que se passava em Reguengos. E no dia 14 de julho, a Segurança Social fez um relatório de toda a situação, que foi enviado para o Ministério Público”, acrescentou hoje.

Também esta terça-feira, o primeiro-ministro saiu em defesa da Ministra do Trabalho e da Segurança Social, recusando alimentar “polémicas artificiais”. “Tem toda a minha confiança, está a fazer um excelente trabalho”, disse, sobre Ana Mendes Godinho, assinalando que “numa fase de crise como a que estamos a viver, do ponto de vista sanitário, económico e social, com tanta gente a sofrer com receio de perder emprego, pessoas que têm menos procura do que tinham dos serviços que prestam, temos de ter respeito pelos cidadãos e não alimentar polémicas“.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PSD exige conhecer “todos os relatórios” sobre o lar de Reguengos de Monsaraz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião