Bruxelas chega a acordo com CureVac para comprar 225 milhões de vacinas contra Covid-19

Comissão Europeia anunciou o quarto acordo, agora com a farmacêutica CureVac, para comprar 225 milhões de doses de uma potencial vacina contra a Covid-19.

A Comissão Europeia concluiu esta quinta-feira o quarto acordo com uma farmacêutica, desta vez com a alemã CureVac, para a compra de 225 milhões de doses de uma potencial vacina contra a Covid-19.

“A Comissão Europeia cumpre a sua promessa de garantir aos europeus e ao mundo um acesso rápido a uma vacina segura que nos proteja contra o coronavírus. Cada ronda de negociações concluída com a indústria farmacêutica aproxima-nos da vitória contra este vírus. Teremos em breve um acordo com a CureVac, a inovadora empresa europeia que beneficiou anteriormente de financiamento da UE para produzir uma vacina na Europa. E as nossas negociações prosseguem com outras empresas para encontrar a tecnologia que nos proteja a todos”, explica a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Este acordo da Comissão Europeia junta-se a outras três negociações com a Sanofi-GSK, Johnson & Johnson e a AstraZeneca. De acordo com o comunicado emitido pela Comissão Europeia, “o contrato previsto com a CureVac proporcionaria a todos os Estados-Membros da UE a possibilidade de adquirirem a vacina, bem como de fazer doações aos países de baixo e médio rendimento ou de a redirecionar para países europeus”.

As negociações não ficam por aqui e a a Comissão prossegue com intensas negociações com outros fabricantes de vacinas. “Hoje concluímos negociações com a empresa CureVac para aumentar as possibilidades de encontrar uma vacina eficaz contra o coronavírus. Continuamos a trabalhar lado a lado com os Estados-Membros e com os promotores de vacinas para cumprir os objetivos da nossa Estratégia de Vacinação Europeia – uma vacina para todos”, conclui Stella Kyriakides, comissária responsável pela saúde e segurança dos alimentos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas chega a acordo com CureVac para comprar 225 milhões de vacinas contra Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião