Bolsas europeias celebram tratamento para a Covid-19. Galp Energia avança 4,5% em Lisboa

A bolsa nacional terminou o dia pintada de verde. As cotadas da energia destacam-se nos ganhos, com a Galp Energia a subir 4,5%.

As bolsas europeias terminaram a primeira sessão da semana em alta, registando ganhos expressivos, numa altura em que os investidores estão otimistas relativamente aos tratamentos contra a Covid-19. A praça lisboeta ganhou quase 2%, impulsionada pelo setor da energia e pelas papeleiras.

O índice de referência nacional, o PSI-20, avançou 1,95% para 4.428,79 pontos. Entre as 18 cotadas, apenas duas registaram perdas nesta sessão, com as restantes em “terreno” positivo.

O setor energético impulsionou o desempenho da bolsa nacional. A Galp Energia liderou os ganhos, ao subir 4,53% para 9,368 euros, num dia positivo para o mercado petrolífero. O brent de referência europeia sobe 0,63% para 44,97 dólares por barril e o crude WTI ganha 0,61% para 42,60 dólares.

A EDP somou 3,32% para 4,425 euros e a EDP Renováveis avançou 2% para 14,26 euros. Segundo a Reuters, o Goldman Sachs adicionou as duas elétricas à sua conviction list, tendo subido o preço-alvo da EDP para 5,6 euros por ação, face aos anteriores 4,79 euros. Subiu também o price target da EDP Renováveis para 18 euros de 16,5 euros por ação.

As papeleiras destacaram-se também nos ganhos, com a Navigator a registar uma valorização de 3,11% para 2,32 euros. Já a Semapa subiu 1,54% para 7,92 euros, e a Altri ganhou 1,18% para 4,29 euros. Nota ainda para as retalhistas Sonae e Jerónimo Martins, que avançaram, respetivamente, 1,75% e 1,01%.

Em sentido contrário, os CTT perderam 0,89% para 2,795 euros e a Novabase caiu 0,30% para 3,28 euros.

No Velho Continente, o índice pan-europeu Stoxx 600 ganhou 1,6%, no dia em que a Comissão Europeia anunciou negociações com a quinta farmacêutica para compra de vacinas. O Dax da Alemanha somou 2,4%, o francês CAC 40 subiu 2,3% e o britânico FTSE 100 valorizou 1,7%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas europeias celebram tratamento para a Covid-19. Galp Energia avança 4,5% em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião