Quem é a Hanwah Q Cells, a gigante dos painéis solares que se vai instalar no sul de Portugal?

É sul-coreana, conta com 68 anos de existência (de um negócio que já passou por muitas atividades diferentes) e acaba de entrar no negócio de produção de energia em Portugal. Conheça a Hanwah Q Cells.

É sul-coreana, foi fundada em 1952 e prepara-se para se tornar um dos players da energia solar no Alentejo e Algarve. A Hanwha Q-Cells é a empresa que ficou com metade dos lotes que foram esta segunda e terça-feira a leilão de energia solar em Portugal, ao ganhar, de acordo com o Expresso, seis dos 12 lotes a concurso, o máximo que podia alcançar.

Com sede administrativa em Seul e sede de investigação e desenvolvimento (I&D) na cidade alemã de Thalheim, a empresa é um dos maiores fornecedores de painéis fotovoltaicos do mundo. Mas nem sempre foi este o foco do foi a energia, pelo contrário. Começou pelo negócio da pólvora e dos explosivos, no rescaldo da Segunda Guerra Mundial. Passou já nos anos 1980 pelos resorts, pelas finanças, retalho e até mesmo pela tecnologia aeroespacial.

Apenas em agosto de de 2010 é que o grupo apostou no negócio de energia solar ao adquirir uma participação de 49,99% na empresa chinesa SolarFun Power Holdings, atualmente transformada em Hanwha SolarOne, segundo o site oficial.

Desde a entrada do no setor da energia, o grupo Hanwha apostou fortemente na Hanwha Q Cells e, quatro anos depois, dedicava-se ao desenvolvimento de equipamentos de energia solar para telhados de edifícios residenciais, comerciais e industriais. A estratégia de expansão do negócio e geográfica acabou por fazer da empresa um gigante dos painéis fotovoltaicos, que tem galopado a ascensão do setor.

Ao aplicar tecnologia de ponta e economias de escala, a Hanwha Q Cells tem tirado partido da crescente procura por energia solar por todo o mundo. Temos tido capacidade de oferecer produtos de elevada qualidade a preços competitivos”, diz a empresa liderada por Seung Youn Kim.

Cerca de uma década depois, detém a liderança na quota de mercado de países chave como a Alemanha, Reino Unido, Coreia do Sul e Japão. Na Europa foi seis vezes consecutivas eleita como melhor fabricante de sistemas fotovoltaicos pelos instaladores locais, ao ganhar o prémio “Top Brand PV Seal 2019″ da EuPD Research.

Depois de expandir o negócio de painéis solares, a empresa começou a produzir diretamente energia, tendo assegurado projetos em países como Reino Unido ou França. Em 2015, estabeleceram uma parceria com a NextEra Energy com sede nos EUA, o que acabou por acelerar a entrada do grupo num dos maiores mercados solares do mundo. No ano passado, anunciou a construção de uma fábrica de módulos solares de capacidade de 1,7GW no estado americano da Geórgia.

O plano de expansão está avaliado em 1,3 mil milhões de dólares até 2020. É no âmbito deste projeto que a sul-coreana entra no negócio de produção de energia em Portugal. Foi a promotora que conseguiu maior número de lotes para desenvolver projetos fotovoltaicos no Alentejo e Algarve, sendo que tinha já tentado participar no leilão anterior, sem sucesso, de acordo com informações divulgadas pelo Expresso.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem é a Hanwah Q Cells, a gigante dos painéis solares que se vai instalar no sul de Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião