Galp e quadros pagam injunção e evitam julgamento no caso Galpgate

  • ECO
  • 25 Agosto 2020

Fonte oficial da Galp confirmou ao Observador que o processo Galpgate será encerrado e adiantou que este desfecho "corresponde à conclusão natural do processo".

A Galp e os quadros da petrolífera que foram acusados no caso Galpgate viram o processo suspenso durante seis meses e vão ter de pagar uma injunção ao Estado, avança o Observador (acesso pago). Se nenhum dos envolvidos cometer crimes durante o período da suspensão, o processo ficará por aqui, sem ir a julgamento.

Ao jornal, sem adiantar pormenores, fonte oficial da Galp confirmou que o processo será encerrado, adiantando que este desfecho “corresponde à conclusão natural do processo”. Embora a suspensão do processo e o pagamento de injunções já tivesse sido noticiada no caso dos antigos titulares de cargos públicos que receberam convites da Galp para assistirem a jogos no Campeonato da Europa de Futebol 2016, em França, o mesmo não tinha acontecido em relação à Galp e alguns dos seus quadros.

O Ministério Público, que pretendia levar a petrolífera e o administrador Miguel Costa Pina a julgamento, mas terá recuado. Desta forma, suspende-se o processo para duas empresas da Galp (Galp Energia SGSP e a Galp SA) e e nove quadros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Galp e quadros pagam injunção e evitam julgamento no caso Galpgate

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião