Correção da Galp Energia leva a queda de 1% do PSI-20

Após uma subida superior a 4% na sessão anterior, as ações da Galp corrigiram esta terça-feira. A maior parte das cotadas nacionais desvalorizaram, levando o PSI-20 para terreno negativo.

Ao contrário dos índices norte-americanos que continuam a quebrar recordes, o PSI-20 continua aquém dos valores pré-pandemia e voltou às quedas esta terça-feira, após ter subido quase 2% na segunda-feira. O Stoxx 600, o índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, fechou com uma desvalorização de 0,14% para os 370,32 pontos, ainda que o início da sessão tenha sido animada pelos dados positivos que chegaram da Alemanha.

O índice de referência em Portugal desvalorizou 1,06% para os 4.381,72 pontos na sessão desta terça-feira, corrigindo parcialmente face à subida de 1,95% da sessão anterior que tinha beneficiado do otimismo dos investidores quanto à procura de uma vacina para a Covid-19. Esta foi a maior valorização do índice lisboeta desde 16 de junho, com a Galp Energia a valorizar mais de 4%.

A tendência negativa esta terça-feira foi transversal à maioria das cotadas do PSI-20, com a exceção de quatro cotadas que mantiveram-se em terreno positivo. A Galp Energia foi uma das empresas que esteve a corrigir da subida significativa da sessão anterior, tendo registado uma desvalorização de 2,01% para os 9,18 euros.

Contudo, a maior queda foi protagonizadas pela Navigator cujos títulos desceram 3,02% para os 2,25 euros. Após a Navigator e a Galp, seguem-se os CTT com uma queda de 1,97% para os 2,74 euros e a EDP com uma perda de 1,88% para os 4,34 euros.

A contribuir para uma queda menos expressiva do PSI-20 esteve a Ibersol ao valorizar 1,43% para os 5,68 euros. A Sonae Capital, Novabase e Jerónimo Martins foram as restantes cotadas que resistiram às quedas nesta sessão.

Na Europa, tanto o índice francês como o índice alemão fecharam em ligeira alta, em contraste com as quedas do índice espanhol e britânico (-1,1%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Correção da Galp Energia leva a queda de 1% do PSI-20

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião