Técnico+ e ITUp lançam pós-graduação em low-code

  • Pessoas
  • 25 Agosto 2020

Escola de formação pós-graduada do IST e empresa portuguesa juntaram-se para ensinar sobre plataformas low-code, que possibilitam desenvolver aplicações de forma rápida.

A ITUp, líder em formação especializada na Plataforma OutSystems, juntou-se ao Técnico+, a escola de formação pós-graduada do Instituto Superior Técnico, para lançarem juntas a pós-graduação LeAD (Low-Code Application Development).

Com início marcado para 26 de outubro, em formato remoto, o curso terá como principal objetivo dar “ferramentas e conhecimentos imprescindíveis para os profissionais de programação low-code”, uma das especialidades com maior carência de profissionais no mercado das IT.

“A missão do Técnico+ é atualizar o conhecimento de pessoas e organizações e, sendo esta uma área de grande crescimento e interesse e ainda com necessidade de mais profissionais especializados, é com grande satisfação que nos unimos à ITUp para fornecer formação nesta área, unindo o conhecimento abrangente dos professores e investigadores do Técnico, com a vasta experiência da ITUp” afirma Tiago Guerra, diretor executivo no Técnico +, citado em comunicado.

O low-code acelera a criação e mudança de sistemas digitais e possibilita a criação de aplicações num curso espaço de tempo. “Este programa de formação em tecnologias low-code de desenvolvimento de aplicações – da qual a plataforma da empresa portuguesa OutSystems é líder mundial de acordo com a Gartner – é basicamente um sonho tornado realidade que tem levado a um aumento da procura por parte dos especialistas”, explica Miguel Mira da Silva, responsável por esta formação e professor associado no Departamento de Engenharia Informática do Técnico, destacando que esta formação “não requer conhecimentos profundos em informática.

De acordo com um estudo da Gartner, o desenvolvimento de aplicações em tecnologia low-code representará 65% de todas as funções de desenvolvimento de aplicações até 2024 e cerca de 66% das grandes organizações irão usar este tipo de plataforma. “A Forrester prevê que em 2022 este mercado tenha um valor de 21.2 mil milhões de dólares. (…) Se o mercado se comportar de acordo com as previsões, a procura deste tipo de perfis, especialmente low-code developers, aumentará exponencialmente”, explica Luís Campos, CEO da ITUp.

Destinado a um público com formação nas áreas de Engenharia, Matemática ou formação e currículo profissional que permitam a aquisição rápida de conhecimentos na área de programação, e ainda profissionais que pretendam uma reconversão das suas áreas de formação para a área tecnológica, a formação conta com 15 vagas. O plano de estudos, dividido em sete módulos, conta com carga horária síncrona, lecionada de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 16h00, correspondendo no final a 15 créditos ECTs. Pode consultar mais informações sobre o curso aqui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Técnico+ e ITUp lançam pós-graduação em low-code

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião