Mota-Engil dispara 27,5% com venda de posição à CCCC

Ações da empresa liderada por Gonçalo Moura Martins acentuam ganhos em bolsa perante o potencial acordo para a venda de 30% da construtora ao grupo chinês.

A Mota-Engil está a disparar em bolsa. A construtora regista uma subida de quase 30% depois de revelar que está na fase final das negociações de um acordo de parceria estratégica e investimento com um dos maiores grupos de infraestruturas do mundo

A Mota-Engil Participações está prestes a fechar um acordo com a chinesa CCCC, que poderá ficar com 30% do capital da construtora nacional, um negócio que está a ser bem recebido no mercado. Depois de subirem mais de 10%, os títulos da Mota-Engil têm vindo a acentuar ganhos, seguindo a somar mais de 20%.

As ações da empresa ganham 27,48% para os 1,846 euros, tendo chegado a cotar nos 1,85 euros, cotação que quase anula a queda acumulada pela Mota-Engil este ano, antes desta sessão em que se soube do acordo.

Mota-Engil dispara em bolsa

Esta forte subida é explicada com a avaliação que é feita da empresa para a compra da posição. A Mota-Engil revelou no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que o negócio será feito a “um preço que reflete uma valorização que está muito acima do preço atual de mercado”.

Apontou mesmo para um valor de 750 milhões de euros, mais do dobro da avaliação feita à empresa pelos investidores em bolsa. Antes do anúncio de que este acordo está prestes a ser fechado, a Mota-Engil apresentava uma capitalização bolsista de cerca de 340 milhões de euros.

A avaliação implícita na transação coloca o valor das ações da Mota-Engil em torno dos 3,00 euros, mais do dobro daquele a que estavam a ser avaliadas no mercado. Daí que se assista a uma forte recuperação das cotações da construtora liderada por Gonçalo Moura Martins.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil dispara 27,5% com venda de posição à CCCC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião