Nas notícias lá fora: Lay-off em Espanha, Uber e TikTok

Em Espanha, patrões e sindicatos pedem o prolongamento do lay-off, enquanto que nos EUA a a ByteDance prepara-se para desligar TikTok. Primeiro-ministro do japão está prestes a demitir-se.

Em Espanha, patrões e sindicatos pedem o prolongamento do lay-off, pelo menos, até à primavera, enquanto no Japão, o primeiro-ministro está a “passos” de se demitir, pondo fim a um ciclo de oito anos à frente da terceira maior economia mundial. A nível empresarial, depois do aviso de Donald Trump, a ByteDance prepara-se para desligar TikTok nos EUA, já os antigos e atuais funcionários da Uber avançaram com uma ação contra a empresa por causa da queda do valor das ações.

El Economista

Patrões e sindicatos pedem o prolongamento do lay-off em Espanha

Dirigentes de associações patronais espanholas comunicaram informalmente ao Ministério do Trabalho o desejo de prorrogação dos Ertes ( o equivalente ao lay-off em Portugal), pelo menos, até à primavera. Este apoio social termina a 30 de setembro, sendo que o novo prazo ainda não foi discutido. Contudo o Executivo espanhol estará inclinado para o prolongar, tendo em conta a evolução da situação pandémica e do ambiente económico. Vários países estão a prolongar os apoios às empresas. É o caso da Alemanha que na quarta-feira anunciou que a medida iria vigorar até ao final de 2021, já França está a estudar a criação de uma medida semelhante.

Leia a notícia completa no El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Financial Times

Primeiro-ministro japonês vai demitir-se por razões de saúde

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, expressou a sua intenção de renunciar ao cargo, por razões de saúde, de acordo com a televisão japonesa NHK e outros media nipónicos. A informação ainda não foi confirmada pelo gabinete do primeiro-ministro, mas ministros e assessores confirmam que o líder mais antigo do país vai demitir-se. A confirmar-se, encerará um mandato de oito anos à frente da terceira maior economia mundial. Leia a notícia completa no Financial Times (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Times

Funcionários da Uber processam empresa pela queda no preço das ações

Quase 200 funcionários atuais e ex-Uber processaram a empresa por esta os ter obrigado a suportar impostos adicionais com as ações que receberam no âmbito da Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla inglesa). Em vez de os títulos ficarem bloqueados por seis meses, como é habitual, a Uber vendeu as ações dos trabalhadores logo no IPO a um preço substancialmente superior ao registado no final do primeiro semestre no mercado, o que fez com que estes funcionários recebessem um valor inferior com os títulos a que tinham direito, mas pagaram impostos sobre um valor superior. A ação judicial já deu entrada no Tribunal Superior da Califórnia.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Reuters

ByteDance prepara-se para desligar TikTok nos EUA

Donald Trump ameaçou banir o TikTok dos EUA, perante receios de segurança em torno do tratamento dos dados pessoais dos utilizadores. Deu um prazo à ByteDance para vender a aplicação ou irá impedir o acesso à app em breve. Numa altura em que surgem vários interessados em resolver o problema, comprando a rede social à empresa chinesa, a ByteDance está a preparar-se para o pior: deu ordem aos engenheiros que preparem tudo para potencialmente terem de bloquear o acesso à app no mercado norte-americano.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

TechCrunch

Esta máscara substitui as que faz em casa. É toda tech

Está a aumentar o uso de máscaras para evitar a propagação do novo coronavírus. Muitas pessoas utilizam equipamentos descartáveis, que não são “amigos do ambiente”, mas muitas mais recorrem às máscaras sociais. A LG tem uma alternativa tecnológica. A empresa revelou a LG PuriCare, uma máscara que purifica o ar que o utilizador respira. Tem dois filtros HEPA, e um LED UV que mata o vírus. A bateria dura oito horas.

Leia a notícia completa no TechCrunch (acesso livre, conteúdo em inglês).

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: Lay-off em Espanha, Uber e TikTok

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião