Shinzo Abe, um primeiro-ministro com longevidade recorde no poder

  • Lusa
  • 28 Agosto 2020

Abe pretendia permanecer como primeiro-ministro até ao final do seu terceiro e último mandato. Criador do "Abenomics" abandona o cargo por motivos de saúde.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, que anunciou a renúncia ao cargo devido a problemas de saúde, alcançou recentemente o recorde de longevidade como chefe de Governo no Japão, tendo sobrevivido a inúmeros escândalos.

Depois de um primeiro mandato fracassado entre 2006-2007, interrompido nomeadamente devido a escândalos e uma doença inflamatória intestinal crónica (colite ulcerosa), Abe voltou ao comando do país no final de 2012 e desde então permaneceu no cargo.

Inicialmente, Abe pretendia permanecer como primeiro-ministro até ao final do seu terceiro e último mandato como presidente do Partido Liberal Democrático (PLD), em setembro de 2021.

Shinzo Abe ficou conhecido no estrangeiro sobretudo devido à sua política económica apelidada de “Abenomics”, lançada no final de 2012, que combinava flexibilização da política monetária, grande estímulo fiscal e reformas estruturais.

No entanto, na ausência de reformas realmente ambiciosas, este programa teve apenas sucessos parciais e que agora foram ofuscados pela crise económica ligada à pandemia do novo coronavírus.

Segundo Masamichi Adachi, economista do banco UBS, entrevistado pela agência de notícias AFP, Shinzo Abe agiu como “um populista” e não impôs as reformas económicas, necessariamente “dolorosas”, o que será uma das principais razões da sua longevidade no poder.

A grande ambição de Abe, herdeiro de uma grande família de políticos conservadores, era rever a constituição pacifista japonesa de 1947, escrita pelos ocupantes norte-americanos e desde então nunca alterada.

Tendo construído parte de sua reputação com base na firmeza em relação à Coreia do Norte, Abe queria a existência de um exército nacional no lugar das atuais “forças de autodefesa” japonesas, mas a Constituição estipula que o Japão deveria renunciar à guerra para sempre.

Também defendeu um Japão descomplexado de seu passado, recusando-se em particular a carregar o fardo do arrependimento pelos atos do exército japonês na China e na península coreana na primeira metade do século XX.

No entanto, Abe absteve-se de ir ao santuário Yasukuni em Tóquio, um foco de nacionalismo japonês, após a sua última visita ao local no final de 2013, que indignou Pequim, Seul e Washington.

As relações entre Tóquio e Seul deterioraram-se claramente nos últimos dois anos, tendo como pano de fundo as suas disputas históricas, enquanto as relações com Pequim aqueceram, embora continuem tortuosas.

Em relação aos Estados Unidos, Abe adaptou-se a cada mudança de Presidente, demonstrando nos últimos anos a sua cumplicidade com Donald Trump, com quem compartilha a paixão pelo golfe. Uma estratégia com resultados mistos e complicada pelo lado imprevisível do chefe de Estados norte-americano.

Shinzo Abe também teve o cuidado de não ofender o Presidente russo, Vladimir Putin, na esperança de resolver a disputa pelas Ilhas Curilas do Sul (chamadas de “Territórios do Norte” pelos japoneses), anexadas pela União Soviética ao fim da Segunda Guerra Mundial e nunca mais devolvidas ao Japão.

Também tentou brilhar no cenário internacional, por exemplo, assumindo o papel de mediador entre o Irão e os Estados Unidos ou sendo o apóstolo do livre comércio.

Regularmente salpicado por escândalos que afetam os seus familiares, Abe costuma aproveitar eventos externos – os disparos de mísseis norte-coreanos ou desastres naturais – para distrair a atenção e colocar-se como o chefe necessário na adversidade.

Shinzo Abe também se aproveitou a ausência de um rival à sua altura no PLD e da fragilidade da oposição, que ainda não se recuperou da desastrosa passagem pelo poder entre 2009 e 2012.

A sua popularidade, entretanto, diminuiu acentuadamente desde o início da pandemia do novo coronavírus, pois a sua ação foi considerada muito lenta e confusa.

Também se apegou à esperança de manter as Olimpíadas de Tóquio no verão de 2020, que seria um dos pontos altos de sua gestão, mas a realização do evento foi adiada por um ano devido à pandemia de Covid-19.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Shinzo Abe, um primeiro-ministro com longevidade recorde no poder

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião