Quase 80 mil já estão a usar a app Stayaway Covid

Dados cedidos ao ECO pelo INESC TEC revelam que quase 80 mil já descarregaram a aplicação. Maioria dos downloads foi feita em equipamentos com Android.

A Stayaway Covid começou a chegar aos smartphones no final da semana passada. Primeiro ficou disponível para os Android, depois para os equipamentos da Apple, embora a apresentação oficial seja apenas esta terça-feira, 1 de setembro. E em pouco tempo, já conta com dezenas de milhares de downloads.

Já há quase 80 mil pessoas que estão a usar a aplicação Stayaway Covid, a app que vai ajudar a rastrear eventuais contactos com pessoas infetadas pelo novo coronavírus, de acordo com dados cedidos ao ECO pelo INESC TEC, que desenvolveu a aplicação juntamente com o ISPUP, a Keyruptive e a Ubirider.

Como chegou primeiro aos Android, o grosso dos downloads até ao momento foram realizados pelos utilizadores deste sistema operativo da Google. Contabilizam-se 60.980 downloads desde sexta-feira, altura em que ficou disponível na Google Play Store, até às 9h desta segunda-feira, 31 de agosto.

A app ficou disponível para iOS no final do dia de sábado, sendo que desde então registam-se um total de 16.980 downloads da Stayaway Covid, revela o INEC TEC.

Em ambas as lojas de aplicações, a app lidera os downloads, sinal da adesão dos portugueses a este sistema que através do Bluetooth, a tecnologia usada no rastreio dos contactos, corre em segundo plano de forma a avisar com uma notificação caso tenha estado perto de uma pessoa que informou a aplicação de que está infetada com Covid-19.

Todos estes downloads estão a ser realizados antes do lançamento oficial da aplicação, que vai acontecer esta terça-feira. António Costa, que desde sempre se tem manifestado um defensor da utilização da app, vai marcar presença na sessão de apresentação pública da aplicação portuguesa de rastreio digital da Covid-19 esta terça-feira, 1 de setembro, da parte da manhã, no Porto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase 80 mil já estão a usar a app Stayaway Covid

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião