Chats em mais de 30 línguas? Projeto arranca em Portugal

  • Pessoas
  • 2 Setembro 2020

MAIA vai ser desenvolvido pela Unbabel, Universidade Carnegie Mellon, ao INESC-ID e ao Instituto de Telecomunicações ao longo dos próximos 36 meses.

A Unbabel juntou-se à Universidade Carnegie Mellon, ao INESC-ID e ao Instituto de Telecomunicações para arrancar com o MAIA, um projeto de investigação que designa um “Multilingual AI Agent Assistants” com o objetivo de melhorar a capacidade de chats desenvolverem conversas em 30 línguas diferentes.

A ideia é que sejam desenvolvidos novos modelos que facilitem a comunicação entre agentes humanos e clientes internacionais, “tornando as plataformas de serviço live chat mais multilingues, escaláveis e capazes de garantir uma melhoria significativa na satisfação dos clientes”, explica a Unbabel em comunicado.

“O chat está a tornar-se cada vez mais no meio preferencial de contacto com clientes, mas tem ainda enormes desafios para ultrapassar, nomeadamente no que diz respeito ao apoio ao cliente em diversas línguas para melhorar a sua satisfação, mantendo simultaneamente a experiência de contacto entre dois humanos”, explica André Martins, vice-presidente de AI Research da Unbabel. O MAIA “vem permitir que possamos unir a eficácia da Inteligência Artificial e a empatia dos humanos, para um atendimento ao cliente mais eficaz, tornando todo o processo mais integrado e preciso”, detalha ainda, citado em comunicado.

“Este projeto é especialmente desafiante pela necessidade de considerarmos o contexto conversacional para garantir traduções precisas, corretas e culturalmente apropriadas. Por outro lado, a natureza interativa das conversas criam diferentes oportunidades para as tecnologias de tradução”, assinala Graham Neubig, associate professor na Universidade de Carnegie Mellon.

A investigação será feita ao longo de 36 meses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chats em mais de 30 línguas? Projeto arranca em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião