Ramalho garante que vai apagar “incêndio” no Novo Banco após “fogo posto”

Em fim de mandato, António Ramalho abriu a porta à continuidade à frente do Novo Banco. Diz que vai apagar um incêndio que lavrava de forma perigosa no banco, sabendo que "foi fogo posto".

Em fim de mandato, António Ramalho abriu a porta à continuidade à frente do Novo Banco, assegurando que vai apagar um “incêndio que lavrava de forma perigosa” no banco. “Sabemos que foi fogo posto”, disse o presidente do Novo Banco, que também deixou críticas a comentadores, jornalistas e políticos que apenas querem saber da “fatura da água”.

“O meu conselho de administração aceitou um dia ser chamado como bombeiro para apagar um fogo que lavrava de forma extraordinariamente alta e perigosa. Custa-me, por vezes, que a comunicação social, comentadores e políticos se esqueçam disso e procurem verificar a conta da água”, disse António Ramalho em conferência de imprensa, dois dias depois de a Deloitte ter entregue a auditoria especial que revelou perdas de 4.000 milhões com origem no BES.

“Não nos esquecemos que estamos cá para apagar este incêndio. Apagaremos esse incêndio, mas também sabemos que foi fogo posto”, atirou o presidente do Novo Banco já no final da conferência de imprensa.

Antes, questionado sobre se tinha ânimo para continuar à frente dos destinos do Novo Banco, António Ramalho tinha deixado a porta aberta nesse sentido. “Ficaremos e tenderemos a ficar até a restruturação do banco estar concluída, até o banco se encontrar numa situação normal em que venha a ter lucros, o que acontecerá em 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ramalho garante que vai apagar “incêndio” no Novo Banco após “fogo posto”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião