EMEL lança concurso público para implementar sistema inteligente de mobilidade em Lisboa

  • Lusa
  • 8 Setembro 2020

A EMEL lançou um concurso público para implementar um sistema inteligente que permitirá gerir o tráfego da cidade "de forma integrada e dinâmica, tornando-o mais eficiente e descongestionado".

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) lançou esta terça-feira um concurso público para implementar um sistema inteligente que permitirá gerir o tráfego da cidade “de forma integrada e dinâmica, tornando-o mais eficiente e descongestionado”.

Em comunicado, a EMEL destaca que o Sistema Inteligente da Mobilidade de Lisboa, denominado SIM.Lx, vai “tornar possível a centralização de todos os cruzamento semaforizados de Lisboa e, através da introdução de uma componente preditiva, permitir a elaboração, em tempo real, de planos semafóricos especiais para ações programadas“.

Essas ações são, por exemplo, “o fecho de vias, obras rodoviárias, eventos especiais e planos para acontecimentos aleatórios como acidentes, incidentes pontuais, circulação de veículos de emergência, entre outros”, refere a empresa na mesma nota.

A EMEL salienta que “passará a haver a capacidade de antecipar os diferentes cenários de tráfego suscetíveis de criar situações de congestionamento“.

Com este sistema, também a circulação dos transportes públicos e veículos de emergência sairá facilitada, realça a empresa municipal de mobilidade.

“Atualmente, a rede semafórica de Lisboa congrega 547 intersecções semafóricas (conjunto de equipamentos comandados), das quais apenas 138 estão ligadas ao sistema central GERTRUDE, um sistema revolucionário na década de 80, quando foi introduzido na cidade, mas que não tem acompanhado a evolução natural da mobilidade urbana e que está claramente desajustado às necessidades de hoje em dia”, lê-se ainda no comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EMEL lança concurso público para implementar sistema inteligente de mobilidade em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião