Iberdrola ganha nova central de 83 MW no leilão solar, aumenta produção fotovoltaica em Portugal para 255 MW

  • ECO e Lusa
  • 8 Setembro 2020

Ao ECO, a empresa garante que conseguiu "um projeto cujo preço vai ao encontro do interesse dos consumidores e está em linha com os objetivos da Iberdrola".

A Iberdrola anunciou esta terça-feira que o seu projeto vencedor no leilão de energia solar, realizado em agosto, tem uma capacidade instalada de 83 MW, o que permitirá à espanhola elevar para 255 MW a capacidade fotovoltaica em Portugal. “Quando este novo projeto entrar em funcionamento, a capacidade renovável da Iberdrola em Portugal alcançará os 1.519 MW, dos quais 1.158 MW serão de tecnologia hidroelétrica, 255 MW de fotovoltaica, 14 MW de armazenamento em forma de bateria e 92 MW de energia eólica atualmente em operação”, informou hoje em comunicado a energética espanhola.

Segundo a empresa, o projeto mais recente consiste numa central fotovoltaica com 83 MW de capacidade instalada, no Algarve, com uma entrada de bateria de cerca de 14 MW, que permitirá “estabilizar o sistema e gerir a descarga na rede em momentos de grande procura”.

Já no primeiro leilão de energia solar, que decorreu em 2019, a Iberdrola tinha adjudicado o equivalente a 172 MW de tecnologia fotovoltaica, com projetos localizados nas regiões do Algarve e Vale do Tejo, que, diz, estarem em desenvolvimento. Atualmente, a empresa não tem ainda produção fotovoltaica em Portugal.

“Fazemos um balanço muito positivo. Entendemos os leilões de 2019 e 2020 como partes de um todo. Os leilões são processos muito competitivos e são uma parte de nossa estratégia global. O resultado deste ano é a continuação da aposta firme que fizemos em 2019 para o desenvolvimento de um portfólio de energias renováveis em Portugal e do compromisso com nossa estratégia de crescimento sustentável no país”, disse a Iberdrola em declarações ao ECO.

Sobre os preços mínimos recorde no mundo atingidos no leilão português, a elétrica disse apenas que dá “as boas-vindas a leilões de energia solar que sejam competitivos. Conseguimos um projeto cujo preço vai ao encontro do interesse dos consumidores e está em linha com os objetivos da Iberdrola”, grantiu a empredsa.

O maior projeto que o grupo tem atualmente em desenvolvimento em Portugal é o complexo hidroelétrico do Tâmega, o maior do género em curso em Portugal, que envolve a construção de três novas centrais (Gouvães, Daivões e Alto Tâmega), com uma potência total de 1.158 MW e um investimento superior a 1.500 milhões de euros.

Segundo a empresa espanhola, as centrais de Gouvães e Daivões vão entrar em funcionamento em 2021, conforme previsto.

Quando o complexo do Tâmega arrancar, a Iberdrola estima que a energia elétrica instalada no país aumente em 6% e que seja fornecida energia proveniente de fontes renováveis a 440 mil casas.

Em janeiro, o primeiro-ministro, António Costa, afirmou que o Sistema Eletroprodutor do Tâmega é “estratégico” para permitir o encerramento das duas centrais a carvão ainda em funcionamento, a do Pego em 2021 e a de Sines em 2023.

Em 26 de agosto, o ministro do Ambiente anunciou que o leilão solar em que foram adjudicados 670 megawatts (MW) bateu “um novo recorde do mundo” com o preço de 11,14 euros MW-hora (MW/h), na modalidade de preço fixo.

A empresa sul-coreana Hanwha Q-Cells foi a “grande vencedora” deste segundo leilão solar, que decorreu nos dias 24 e 25 de agosto, tanto em número de lotes (seis), como em capacidade adjudicada (total de 315 MW).

Os restantes lotes leiloados foram adjudicados pelas empresas espanholas Iberdola e Endesa (um cada uma), a francesa Tag Energie (dois lotes), a alemã Enerland (um lote) e a espanhola Audax (2 lotes).

De acordo com o ministro, com este leilão, conseguem-se ganhos para os consumidores na ordem dos 559 milhões de euros a 15 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Iberdrola ganha nova central de 83 MW no leilão solar, aumenta produção fotovoltaica em Portugal para 255 MW

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião