Medicamento da Bial para o Parkinson chega aos Estados Unidos e Japão

O medicamento Ongentys, desenvolvido pela farmacêutica Bial e destinado a pessoas com Parkinson, chegou ao mercado norte-americano e japonês.

Um medicamento desenvolvido pela farmacêutica Bial, destinado a doentes de Parkinson, começou a ser comercializado nos Estados Unidos da América (EUA) e no Japão.

Chama-se Ongentys e a sua comercialização acontece, após a aprovação das autoridades de saúde dos dois países, que são considerados o primeiro e o terceiro maiores mercados farmacêuticos mundiais. Este medicamento, que já está disponível em Portugal, Reino Unido, Alemanha e Itália chega agora ao mercado norte-americano e nipónico.

É um marco muito relevante para a nossa companhia e para a investigação made in Portugal. Estados Unidos e Japão ocupam respetivamente o primeiro e o terceiro lugar na lista dos principais mercados farmacêuticos”, afirma António Portela, CEO da Bial, citado em comunicado.

Além disso, espera-se também que o medicamento chegue durante este ano e no próximo a outros países europeus, bem como à Coreia do Sul.

Segundo a nota de imprensa, a Bial investe “anualmente mais de 20% da sua faturação em investigação e é até hoje a única farmacêutica portuguesa com produtos de investigação própria”, nomeadamente fármaco para a epilepsia e Parkinson. Depois do Alzheimer, o Parkinson é a doença neurodegenerativa mais comum. Só nos EUA, cerca de um milhão de pessoas vivem com a doença.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Medicamento da Bial para o Parkinson chega aos Estados Unidos e Japão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião