Tecnologia recupera em Wall Street à espera de novidades da Apple

As bolsas norte-americanas continuam a subir depois do sell-off da semana passada. Ações tecnológicas estão a ganhar mais de 1% no dia em que se inicia a reunião de dois dias da Fed.

As bolsas norte-americanas continuam a recuperar do sell-off da semana passada, avançando pela segunda sessão consecutiva perante sinais positivos de recuperação económica vindos da China. Os investidores aguardam ainda mais estímulos da Reserva Federal (Fed), neste dia em que arranca uma reunião de dois dias do banco central.

O S&P 500 está a ganhar 0,78%, para 3.410,10 pontos, enquanto o industrial Dow Jones somam mais de 185 pontos com um avanço de 0,66%, para 28.179,02 pontos. O tecnológico Nasdaq, que desvalorizou mais de 4% no acumulado da semana passada, ganha agora 1,15%, prolongando a subida generosa iniciada na sessão de segunda-feira.

Os investidores deverão manter-se em modo de espera até ao fim da reunião da Fed, esta quarta-feira ao fim do dia, depois de a instituição liderado por Jerome Powell ter revisto a meta de inflação (que passa a ser média) para permitir uma maior aceleração e impulsionar o empresa. “Os mercados vão estar o atentos a qualquer detalhe sobre a nova meta de inflação média na reunião do banco central nesta semana“, sublinha a BlackRock, numa nota.

Para já, o impulso está a ser dado pelos títulos de algumas grandes empresas tecnológicas. É o caso da Apple, que avança 1,90%, para 117,55 dólares, com os investidores a esperarem o lançamento de um novo modelo do iPhone com conectividade 5G no evento especial marcado para o final da tarde desta terça-feira.

A Microsoft também brilha com uma subida de 1,77%, para 209,06 dólares, enquanto a Intel ganha 1,66%, para 50,23 dólares. A Cisco soma 0,74%, para 40,67 dólares. Em sentido inverso, a Caterpillar está entre os piores desempenhos da sessão. A empresa perde 1,08%, para 151,85 dólares, impedindo uma recuperação mais expressiva em Wall Street.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnologia recupera em Wall Street à espera de novidades da Apple

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião