Francisco Patrício eleito primeiro representante de Portugal no conselho da Insol Europe

Pela primeira vez, a associação Insol Europe designou um representante português para o seu conselho. Francisco Patrício é sócio da Abreu Advogados.

Francisco Patrício, sócio da Abreu AdvogadosAbreu Advogados

O sócio da Abreu Advogados, Francisco Patrício, foi o advogado português eleito para integrar o conselho da Insol Europe, para o triénio 2020-2022, a principal associação europeia de profissionais especializados em insolvência, recuperação e reestruturação empresarial.

“Estou muito satisfeito pela eleição, agradecido pela confiança, mas também consciente do enorme desafio de representar Portugal nesta que é a mais relevante e ativa associação para os temas da reestruturação empresarial na Europa”, refere Francisco Patrício.

O sócio da Abreu Advogados foi eleito entre os pares para esta função, sendo a primeira vez na história da associação que se elege um representante português. Francisco Patrício é membro da Insol há cerca de dez anos e é também atualmente co-chair do Financers Group da Insol Europe.

“Na atualidade, com os acrescidos desafios ao mercado empresarial internacional em resposta à pandemia que vivemos, este é o espaço e um grupo de profissionais que poderá ter um contributo acrescido na procura de soluções sustentáveis e firmes, tanto pelas iniciativas e debates quanto pela oportunidade de partilha de informação e exemplos práticos de cada um dos países representados”, acrescenta o advogado.

Entre os principais desafios apontados no seu programa, o sócio da Abreu Advogados destacou a atração de jovens talentos, a maior proximidade a outras associações, a dinamização do grupo de países da Europa do sul, a promoção de mais contactos com os bancos e instituições financeiras europeias e a dinamização do contacto com outras associações de jovens profissionais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Francisco Patrício eleito primeiro representante de Portugal no conselho da Insol Europe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião