BCE volta a aliviar exigências de capital aos bancos

A entidade liderada por Christine Lagarde anunciou um novo alívio nas exigências de capital aos bancos, para fazer face às "circunstâncias excecionais" impostas pela pandemia de Covid-19.

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou esta quinta-feira um novo alívio nas exigências de capital aos bancos, para fazer face às “circunstâncias excecionais” impostas pela pandemia de Covid-19. Depósitos, notas e moedas que os bancos têm no BCE deixam de contar para o rácio de alavancagem.

“O Banco Central Europeu anunciou hoje [quinta-feira] que os bancos da área do euro sob a sua supervisão direta podem excluir certas exposições do banco central do rácio de alavancagem”, começa por dizer a instituição liderada por Christine Lagarde em comunicado, acrescentando que “a medida visa facilitar a implementação da política monetária” e surge depois de o Conselho do BCE, enquanto autoridade monetária da área do euro, “ter confirmado que existem circunstâncias excecionais devido à pandemia do coronavírus”.

No quadro das novas circunstâncias, os supervisores da banca estão habilitados a excluir da exposição ao banco central moedas, notas e depósitos dos bancos no BCE, que deixam assim de contar para o rácio de alavancagem, indicador que mede a relação entre o capital e os ativos do balanço dos bancos. Tal permite que as entidades tenham mais espaço para poderem pedir mais empréstimos, porque o BCE não lhes exigirá mais capital por isso.

O banco central presidido por Christine Lagarde adianta que esta facilidade tem caráter temporário e dura apenas até 27 de junho de 2021.

De acordo com os dados de março, a exclusão destas exposições aumentaria o rácio de alavancagem agregado de 5,36% em cerca de 0,3 pontos percentuais.

O requisito de 3% de rácio de alavancagem será vinculativo a partir de 28 de junho de 2021, mas até essa ocasião o BCE terá de anunciar uma decisão sobre se mantém este alívio no cálculo do rácio.

Este alívio de requisitos permitido aos bancos pelo BCE surge no seguimento de outras medidas de incentivo ao financiamento à economia já anunciadas em março.

(Notícia atualizada pela última vez às 11h22)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE volta a aliviar exigências de capital aos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião