Governo quer alta velocidade entre Lisboa e Porto “de forma faseada”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação adiantou que o plano do Governo para a alta velocidade entre Lisboa-Porto será feito "de forma faseada".

António Costa Silva defendeu “a aposta na linha de alta velocidade Lisboa-Porto”. O Governo vai acolher a ideia, mas vai demorar algum tempo até que seja uma realidade. O objetivo será avançar com a ligação “de forma faseada”, tendo em conta a “disponibilidade financeira do país”, diz Pedro Nuno Santos.

Durante a conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, o ministro das Infraestruturas e da Habitação disse que a ligação Porto-Lisboa se trata de “um dos investimentos públicos que o país deverá estrategicamente fazer [e que terá] mais impacto“, nomadamente na relação entre “as duas áreas metropolitanas das duas maiores cidades do país.

Nesse contexto, Pedro Nuno Santos diz que a obra é, “de facto, um game changer” para Portugal, lembrando que já se perderam “muitos anos para conseguir concretizar esse desígnio de termos uma ligação rápida entre as duas áreas metropolitanas”. Para a concretização, e “sem megalomania”, o Executivo “irá compatibilizar a visão estratégica com a disponibilidade financeira do país”, bem como dos programas que terá ao dispor para cumprir “esse objetivo”, adiantou o governante.

Ao contrarío daquilo que tinha sido avançado por João Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas, o Executivo deverá avançar com a obra de forma faseada. “Diz-nos a precaução que devemos estudar a possibilidade de o fazer de forma faseada”, atirou o ministro.

Na versão inicial da Visão Estratégica para o Plano de Recuperação 2020-2030, Costa Silva sugeria que a linha fosse feita primeiro entre Porto e Soure, mas os contributos que recebeu apontam para que o projeto seja feito todo de uma só vez, embora seja necessário fazer uma análise de custo-benefício.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer alta velocidade entre Lisboa e Porto “de forma faseada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião