Sonae subscreve manifesto do Fórum Económico Mundial a favor do Green Deal europeu

A presidente executiva da Sonae, Cláudia Azevedo, é uma das signatárias do manifesto de apoio ao Pacto Ecológico Europeu, uma iniciativa do Fórum Económico Mundial que reúne CEO de 30 multinacionais.

A Sonae anunciou esta quinta-feira que acaba de subscrever um manifesto de apoio ao Pacto Ecológico Europeu, uma iniciativa do Fórum Económico Mundial que reúne CEO de 30 multinacionais. Entre eles está a presidente executiva da Sonae Cláudia Azevedo. O manifesto defende que “a Europa tem de aproveitar esta oportunidade para potenciar um novo modelo de crescimento, baseado na circularidade, nas energias renováveis e nas indústrias de baixo carbono”.

A declaração conjunta resulta do Grupo de Ação de CEO do Fórum Económico Mundial para o Pacto Ecológico Europeu e realça que é fundamental a cooperação entre governos, empresas e sociedade civil para a Europa se tornar na região mais sustentável, inovadora e inclusiva do mundo.

Cláudia Azevedo, presidente executiva da Sonae e membro deste grupo de ação, realçou em comunicado que “a recuperação da pandemia é a oportunidade para a economia europeia se reinventar e avançar de forma decisiva na implementação de um modelo de crescimento sustentável, que respeite o ambiente, crie valor económico e social e proteja as gerações vindouras”. A subscrição deste manifesto enquadra-se na política de sustentabilidade da Sonae, que há mais de duas décadas integrou o Conselho Económico Mundial para o Desenvolvimento Sustentável, e que tem no combate às alterações climáticas e na proteção da natureza e da biodiversidade dois dos seus eixos estratégicos, refere a empresa no mesmo comunicado.

Os CEO responsáveis pela promoção da iniciativa acreditam que “nenhum governo ou empresa pode levar a cabo esta monumental transformação de forma isolada e que a saída da atual crise não será possível fazendo mais do mesmo”. Por isso, comprometem-se em desenvolver e participar em parcerias robustas que visam reduzir a pegada de carbono e adotar novos modelos de produção e de trabalho nas suas organizações, contribuindo para a descarbonização da economia europeia e para alcançar a neutralidade climática até 2050.

O CEO Action Group para o Pacto Ecológico Europeu foi lançado no outono de 2019 em cooperação com o Fórum Económico Mundial e a Comissão Europeia.

Citado no mesmo comunicado da Sonae, Frans Timmermans, vice-presidente executivo da Comissão Europeia responsável pelo Pacto Ecológico Europeu, congratulou-se com a declaração deste grupo de CEO: “O Green Deal é uma oportunidade única para transformar a nossa economia nesta geração. É crucial ter as empresas europeias a bordo, pois precisamos que todas as empresas contribuam para a neutralidade climática e ajudem a concretizar o Pacto Ecológico Europeu. Apoio muito os esforços do Grupo de Ação para implementar a agenda europeia do clima”.

Também a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no seu discurso de sobre o Estado da União Europeia esta semana, reafirmou o Pacto Ecológico Europeu como elemento central da estratégia de crescimento da Europa e dos esforços de recuperação da região. E revelou que a União Europeia vai propor um aumento do objetivo de redução de emissões em 2030, de 40% para 55%, de forma a atingir o objetivo de neutralidade climática em 2050 e cumprir as suas metas do Acordo de Paris.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae subscreve manifesto do Fórum Económico Mundial a favor do Green Deal europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião