Facebook teme sair da Europa com exigências de regulador irlandês

  • ECO
  • 21 Setembro 2020

O regulador da proteção de dados da Irlanda quer que o Facebook deixe de partilhar dados de europeus com os EUA. Por sua vez, a empresa argumenta que, se assim for, pode ter de sair deste mercado.

O Facebook não vê como poderia continuar a fornecer os seus serviços na Europa se for forçado a deixar de partilhar dados de cidadãos europeus com os EUA.

O receio de saída do Velho Continente, transmitido pela própria empresa ao Supremo Tribunal de Irlanda, está a ser noticiado pela imprensa internacional com base em documentos judiciais do Business Post, citados pela espanhola ABC. A notícia chegou a ser avançada como uma ameaça da parte da rede social, mas foi entretanto atualizada pela cadeia espanhola, algo também confirmado ao ECO por fonte oficial do Facebook.

Em causa está uma proposta da Comissão de Proteção de Dados irlandesa, que coordena as demais comissões de proteção de dados na União Europeia do RGPD (Regulamento Geral de Proteção de Dados). Há uma investigação em curso ao grupo Facebook, que também controla Messenger, WhatsApp e Instagram, e o regulador irlandês pretende estabelecer que os dados pessoais de cidadãos europeus não saem do continente.

Perante a exigência, a empresa fundada por Mark Zuckerberg argumenta que a partilha de dados pessoais com o país de origem é essencial ao funcionamento dos seus serviços, pelo que, se essa situação mudasse, poderia ter de abandonar o mercado europeu.

Ainda assim, não é certo até que ponto é que o Facebook pode cumprir esse desígnio e não há qualquer informação de que a empresa se esteja a preparar para o fazer. Segundo dados do segundo semestre de 2020, 305 milhões de pessoas usam diariamente os serviços da empresa na Europa. Entre abril e junho, a empresa gerou 4,5 mil milhões de dólares na região.

(Notícia atualizada a 22 de setembro, 13h43, com clarificação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook teme sair da Europa com exigências de regulador irlandês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião