FinCEN Files: 86,6 milhões de dólares suspeitos passaram por Portugal

  • ECO
  • 22 Setembro 2020

Terão sido 120 as operações que passaram por Portugal e que os bancos JPMorgan Chase e Bank of New York Mellon reportaram às autoridades dos EUA como potencialmente suspeitas.

Dos dois biliões de dólares movimentados entre 1999 e 2017 em operações que bancos internacionais reportaram como suspeitos, 86,6 milhões tiveram passagem por Portugal, envolvendo cinco bancos portugueses, de acordo com a informação relativa aos FinCEN Files e citada pelo Jornal de Negócios (acesso pago).

Ao todo, segundo o jornal, terão sido 120 as operações que passaram por Portugal e que os bancos JPMorgan Chase e Bank of New York Mellon reportaram às autoridades norte-americanas como potencialmente suspeitas. Em causa estão os bancos BES, offshore do BES na Madeira, Caixa Central de Crédito Agrícola e o EuroBic (na altura Bic).

Grande parte das transações suspeitas passaram pelo Bic, fundado pela empresária angolana Isabel dos Santos, de acordo com o jornal: 99 operações do total de 120 com passagem em Portugal, com 26,9 milhões de dólares a serem enviados através dos EUA.

Este montante não contabiliza os movimentos de um oligarca venezuelano, Alejandro Ceballos Jiménez, através do BES Miami, por onde passaram 262,9 milhões de dólares entre janeiro de 2013 e janeiro de 2014, notícia avançada pelo Expresso (acesso pago).

Mais de 2.100 relatórios sobre atividades suspeitas enviados entre 1999 e 2017 por vários bancos às autoridades americanas estão na origem da mais recente fuga de informação à escala mundial, os FinCEN Files. Os documentos revelam detalhes sobre transferências bancárias de mais de dois biliões de dólares em que foram levantadas suspeitas sobre eventuais esquemas de lavagem de dinheiro ou outros crimes.

Na base deste leak estão relatórios SARs (Suspicious Activity Reports) que são entregues pelos bancos, ao abrigo das regras dos EUA, à agência federal FinCEN (Financial Crimes Enforcement Network), e foram obtidos pelo site de informação BuzzFeed News e partilhados com o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FinCEN Files: 86,6 milhões de dólares suspeitos passaram por Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião