Brexit pode provocar filas de 7.000 camiões para atravessar Canal da Mancha

  • Lusa
  • 23 Setembro 2020

O Governo britânico revelou esta quarta-feira um estudo que prevê filas com 7.000 camiões e dois dias de espera para atravessar o Canal da Mancha para França devido ao Brexit.

Um estudo do Governo britânico prevê filas com 7.000 camiões e dois dias de espera para atravessar o Canal da Mancha para França devido à saída do Reino Unido da União Europeia (UE), admitiu esta quarta-feira o ministro Michael Gove.

Num cenário que considerou o pior possível, em que 30 a 50% das grandes empresas e 60 a 80% de pequenas e médias empresas não estão preparadas para o Brexit, então 40 a 70% dos camiões poderão chegar à fronteira sem os formulários necessários devidamente preenchidos, disse no parlamento.

“Nesse cenário, o fluxo [entre Dover e Calais] poderia ser reduzido em 60 a 80% e isso poderia resultar em filas de até 7.000 camiões em Kent [região no sul de Inglaterra]”, afirmou o ministro do Conselho de Ministros, responsável pelos preparativos relacionados com a saída britânica da UE.

Michael Gove disse que, embora o Governo britânico esteja “empenhado em negociar um novo acordo com UE antes do fim do período de transição, e as negociações continuem, seja qual for o resultado das negociações, as coisas vão mudar para empresas e pessoas se fizerem comércio ou viajarem para a UE”.

Gove disse que uma sondagem recente concluiu que 78% das empresas britânicas já começaram a preparar-se para o pós-Brexit, mas que só 24% estão totalmente prontas e que 43% das empresas ainda acreditam que o período de transição vai ser prolongado, o que o governo recusou em junho.

Mesmo assim, vincou que o Reino Unido continua a preparar-se para a saída e que já foram investidos cerca de 750 milhões de libras (818 milhões de euros) em tecnologia, infraestruturas e pessoal e que a comissão governamental responsável pelo processo encontra-se “quase diariamente” para tomar decisões.

O Reino Unido saiu formalmente da UE em 31 de janeiro, mas continua a beneficiar do acesso ao mercado único e união aduaneira até ao final do ano, no âmbito do período de transição previsto no Acordo de Saída.

A nona ronda de negociações para um novo acordo de comércio está prevista para a semana entre 28 de setembro e 02 de outubro, mas as duas partes apontaram para a existência de divergências significativas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit pode provocar filas de 7.000 camiões para atravessar Canal da Mancha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião