Carga fiscal de 2019 revista em baixa para 34,7% e mantém-se a mais alta de sempre

  • Lusa
  • 23 Setembro 2020

O INE também reviu em baixa a carga fiscal de 2018, de 34,8% para 34,7%. Apesar da revisão, o valor definitivo de 2018 e o provisório para 2019 corresponde ao mais elevado desde 1995.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) reviu esta quarta-feira em baixa em uma décima a carga fiscal de 2019, para 34,7%, um valor igual ao de 2018 e o mais elevado de sempre.

Segundo dados provisórios do INE para 2019, divulgados, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, fixou-se em 34,7%, contra a anterior previsão, feita em março, de 34,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

O INE também reviu hoje em baixa a carga fiscal de 2018, dos anteriores 34,8% para 34,7%.

Apesar da revisão em baixa, o valor definitivo de 2018 e o provisório para 2019 corresponde ao mais elevado desde pelo menos 1995, ano de início da série disponibilizada pela autoridade estatística nacional.

O total das receitas de impostos e contribuições ascendeu a 73.837,9 milhões de euros em 2019, correspondendo ao valor mais alto desde o início da série. Em 2018, aquele valor totalizou 71.127,5 milhões de euros, segundo os dados das contas nacionais divulgados pelo INE.

Tendo em conta apenas o total das receitas tributárias (impostos sobre o rendimento, património, produção e importação e capital), o valor arrecadado ascendeu a 53.273,5 milhões de euros no ano passado, contra 51.982,3 milhões de euros em 2018.

Trata-se, em ambos os anos, de valores máximos desde pelo menos 1995.

Relativamente às contribuições sociais efetivas das famílias os dados do INE indicam igualmente que também em 2019 os 8.187,1 milhões de euros pagos correspondem ao montante mais alto de sempre. Em 2018, as contribuições sociais efetivas das famílias corresponderam a 7.704,4 milhões de euros.

Já as contribuições sociais efetivas dos empregadores ascenderam a 12.377,3 milhões de euros em 2019 e a 11.440,8 milhões de euros no ano anterior.

O conceito de carga fiscal define-se pelos impostos e contribuições sociais efetivas (excluindo-se as contribuições sociais imputadas) cobrados pelas administrações públicas nacionais e pelas instituições da União Europeia.

O INE reviu hoje em baixa, de 0,2% para 0,1% do PIB o excedente das Administrações Públicas em 2019.

De acordo com os resultados provisórios obtidos neste exercício, em 2019 o saldo das Administrações Públicas (capacidade de financiamento) atingiu 177 milhões de euros, o que correspondeu a 0,1% do PIB (-0,3% em 2018).

Segundo o reporte do Procedimento por Défices Excessivo (PDE) a Bruxelas, o Governo prevê para este ano um défice de 7,0%, acima dos 6,3% apontados no Orçamento do Estado Suplementar, mas em linha com a revisão anunciada em julho pelo ministro das Finanças.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carga fiscal de 2019 revista em baixa para 34,7% e mantém-se a mais alta de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião