Comissão de trabalhadores lança manifesto “por uma TAP pública”

  • Lusa
  • 23 Setembro 2020

O manifesto da Comissão de Trabalhadores da TAP defende que “é preciso que o poder político não ceda perante os grandes interesses e que assuma o desenvolvimento da empresa”.

A Comissão de Trabalhadores (CT) da TAP anunciou esta quarta-feira que vai lançar na quinta-feira um manifesto a exigir ao Governo “uma postura conforme a defesa de uma TAP pública ao serviço do país”.

“É preciso que o poder político não ceda perante os grandes interesses e que assuma o desenvolvimento da empresa”, pode ler-se no manifesto intitulado “Por uma TAP pública ao serviço do país” que será apresentado na quinta-feira numa conferência de imprensa na qual a CT indica que irá anunciar “outras ações planeadas no âmbito de defesa” da companhia aérea.

Numa nota à imprensa, a CT sublinha que a transportadora aérea “está a viver mais um importante momento de decisão do seu futuro”, prevendo-se no plano de reestruturação “imposto pela União Europeia” uma “nova redução de trabalhadores”.

“Pelos perigos que podem aí vir para esta empresa estratégica, para os postos de trabalho e os direitos dos trabalhadores, coloca-se a pertinência da dinamização de um manifesto de defesa da TAP, pela importância que tem para o país e pela necessidade de defender quem lá trabalha”, afirma a CT numa nota assinada por Cristina Carrilho.

Para a CT, “é necessário impedir que a TAP siga o caminho de se tornar numa pequena sucursal de uma grande multinacional, assim como é preciso integrar todo o Grupo TAP numa estratégia mais ampla de desenvolvimento do país”. “A TAP faz falta ao país e é estratégica do ponto de vista económico e social, tal como afirma este manifesto”, realça a CT.

De acordo com a nota, são subscritores do manifesto “vários trabalhadores da TAP e de várias empresas do setor aéreo, membros de organizações representativas de trabalhadores e diversas personalidades que reconhecem a importância que a TAP tem para o país”. A CT adianta que na quinta-feira o manifesto poderá transformar-se num abaixo-assinado “para chegar a todos aqueles que têm interesse em defender a TAP”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissão de trabalhadores lança manifesto “por uma TAP pública”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião