Governo espanhol quer empregadores a pagar despesas dos funcionários em teletrabalho

Em causa está um projeto-lei que pretende forçar as empresas a pagar todas as despesas que os funcionários possam ter ao trabalhar a partir de casa.

Numa altura em que o teletrabalho ganha cada vez mais força, o governo espanhol prepara-se para avançar com um projeto-lei que vai obrigar as empresas a cobrirem as despesas dos funcionários que estejam a trabalhar a partir de casa, anunciou o vice-primeiro-ministro, Pablo Inglesias.

Era fundamental regulamentar o trabalho remoto para proteger os direitos dos trabalhadores”, disse Pablo Iglesias, secretário-geral do Podemos e vice-primeiro ministro de Espanha, em entrevista ao canal estatal Radio y Televisión Española (RTVE).

Em cima da mesa está um projeto-lei que pretende forçar as empresas a pagar todas as despesas que os funcionários possam ter ao trabalhar a partir de casa. “Ao mesmo tempo, vai haver flexibilidade de horários, porque o trabalho não pode ser escravatura”, adiantou. O vice-primeiro ministro espanhol sublinhou ainda o facto de este ser “o Governo que mais está a avançar em matéria laboral”, depois de ter sido alcançado um acordo a respeito deste tema “com o consenso de empresários e sindicatos”.

Ainda assim, Pablo Inglesias não adiantou pormenores quanto às despesas que os empregadores deverão assumir. Este projeto-lei ainda terá que ser aprovado pelo Executivo antes de ser submetido para apreciação no Parlamento.

Durante o confinamento imposto em Espanha de meados de março até o final de Junho, milhões de trabalhadores espanhóis tiveram que ficar em casa com os seus filhos e continuar a trabalhar. Face ao crescente número de casos no país, e já que as regras de distanciamento social limitam a capacidade dos escritórios, são muitos os funcionários que ainda permanecem em teletrabalho. Só nas últimas 24 horas, Espanha registou quase 11 mil casos de infeção por Covid-19 e 241 mortes, elevando para 682.267 o número total de infetados até agora e mais de 30 mil mortos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo espanhol quer empregadores a pagar despesas dos funcionários em teletrabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião