Parlamento chumba divulgação integral da auditoria ao Novo Banco

Proposta do Bloco de Esquerda para a divulgação pública imediata e integral do relatório da auditoria especial ao Novo Banco realizada pela Deloitte foi chumbada.

Os votos contra do PS e do PSD chumbaram esta quarta-feira a proposta do Bloco de Esquerda para a divulgação pública imediata e integral do relatório da auditoria especial do Novo Banco realizada pela Deloitte, que teve abstenção da Iniciativa Liberal e CDS e os votos favoráveis dos bloquistas e comunistas.

O Bloco pretendia que o relatório da auditoria que revelou perdas de 4.000 milhões de euros no Novo Banco com origem no BES fosse divulgado completamente e não apenas na versão confidencial com informação truncada que foi divulgada no início do mês pelo Parlamento.

Havia ainda uma proposta do Chega no mesmo sentido, mas a falta de comparência do deputado André Ventura levou a Comissão de Orçamento e Finanças (COF) a não votá-la.

Por outro lado, foi de forma unânime que foi aprovada a proposta do grupo parlamentar socialista relativamente ao pedido ao Novo Banco e ao Banco de Portugal para que disponibilizem, a título confidencial, a carta do Banco Central Europeu relativa à análise e resposta à auditoria especial.

Alteração das regras de nomeação do BdP adiada

A reunião da Comissão de Orçamento e Finanças adiou ainda a votação da proposta do PAN sobre a alteração das regras de nomeação do governador e administradores do Banco de Portugal, a pedido dos sociais-democratas.

A proposta do PAN prevê, entre outros, um regime de incompatibilidades e conflitos de interesse para membros do governo nos cinco anos antes da sua designação para o supervisor bancário. Aliás, o tema levantou-se com a recente nomeação do ex-ministro Mário Centeno para o cargo de governador.

“É incompreensível este pedido de adiamento do PSD. (…) O que se pretende é reforçar os poderes da Assembleia da República para ter uma palavra a dizer, em particular, na nomeação do governador do Banco de Portugal. O Governo prepara-se para mudar o conselho de administração e era importante termos estas regras em vigor”, disse a deputada do PAN Inês de Sousa Real à saída da reunião.

(Notícia atualizada às 12h12)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento chumba divulgação integral da auditoria ao Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião