Trabalhar de casa ou do escritório? Como a Google está a implementar o modelo híbrido

A Google perguntou aos trabalhadores se queriam regressar aos escritórios e eles responderam "sim", mas só durante alguns dias. No futuro, quer apostar em modelos híbridos e mais flexíveis.

A Google já tinha anunciado a decisão de adiar o regresso aos escritórios para o próximo ano, devido à pandemia. Mas num inquérito feito aos trabalhadores, a multinacional tecnológica concluiu que a maior parte das pessoas gostaria de regressar ao escritório, mas só alguns dias durante a semana. Por isso, a gigante tecnológica anunciou que vai reformular os escritórios e apostar num modelo híbrido, avança a CNBC (acesso livre, conteúdo em inglês).

Trabalhar pessoalmente com os colegas de equipa, socializar e ter mais oportunidades de integrar um ambiente de colaboração são as três razões apontadas pelos trabalhadores da Google para quererem regressar aos escritórios.

Numa publicação na rede social Twitter, a Google mostra os resultados do inquérito feito aos trabalhadores. Em julho deste ano, 62% dos trabalhadores respondeu que precisava de estar fisicamente no escritório “durante alguns dias”, para garantir um bom desempenho, um aumento de 9% relativamente ao mês anterior. Por outro lado, apenas 10% considerou que não sentia necessidade de regressar ao escritório.

“Acreditamos que estar reunido, pessoalmente, e ter um sentimento de comunidade, é fundamental quando têm de se resolver problemas difíceis e criar coisas novas, por isso não vemos mudança nesse aspeto. Mas precisamos de criar modelos mais híbridos e flexíveis”, sublinhou Sundar Pichai, presidente do conselho de administração da Google e da Alphabet, numa entrevista à revista Time.

 

Há outras empresas de Silicon Valley a adiar o regresso ao escritório, tais como a Uber, o Twitter e o Facebook, que recentemente anunciou que está à procura de um diretor de trabalho remoto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhar de casa ou do escritório? Como a Google está a implementar o modelo híbrido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião