BCP puxa por Lisboa com maior ganho desde junho

A bolsa de Lisboa acompanhou a subida das praças europeias. A banca puxou pelo PSI-20, com as ações do BCP a recuperarem dos mínimos históricos, subindo mais de 4%, o maior ganho desde junho.

Após sete sessões de quedas, a bolsa de Lisboa entrou na semana a subir, acompanhando a tendência sentida na Europa. O destaque foi a subida do BCP, que recuperou após ter renovado sucessivamente mínimos históricos, atingindo a maior valorização desde o início de junho.

Na Europa, o Stoxx 600 valorizou 2,3%, enquanto o francês CAC-40 ganhou 2,5%, o britânico FTSE 100 avançou 1,8%, o alemão DAX somou 3,2% e o espanhol Ibex-35 valorizou 1,9%. Lisboa acompanhou o sentimento positivo vivido na Europa, negociando significativamente acima da linha de água. O PSI-20 avançou 2,33%, para 4.088,54 pontos, com 14 das 18 cotadas em “terreno” positivo, uma inalterada e apenas quatro a registarem perdas.

A estrela foi o BCP, que avançou 4,17%, para 8,25 cêntimos. Trata-se da maior valorização desde 3 de junho, quando somou 4,88%. O banco liderado por Miguel Maya está a recuperar de mínimos históricos, depois de o Expresso ter noticiado este fim de semana a possibilidade de uma fusão com o Montepio no caso de haver uma intervenção nesse banco. Já esta segunda-feira, o CEO do BCP veio deitar água na fervura, garantindo que não está a negociar uma fusão com o Montepio, mas que poderá vir a analisar a operação caso se justifique.

A puxar pelo índice nacional estiveram ainda as cotadas do setor energético. A Galp Energia avançou 4,02%, para os 8,120 euros, a EDP avançou 0,24%, para os 4,17 euros, enquanto a subsidiária EDP Renováveis ganhou 1,47%, para os 13,82 euros. Já a REN somou 1,06%, para 2,375 euros cada ação.

Entre os “pesos-pesados”, nota positiva também para a Nos, cujos títulos ganharam 4,53%, para 3,048 euros, bem como para as ações da Jerónimo Martins, que valorizaram 2,57%, para os 13,955 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP puxa por Lisboa com maior ganho desde junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião