Governance Lab: “A função da Administração na Governação de Sociedades” é o tema do mais recente livro

O livro faz o estudo do órgão de administração e da função por este desempenhada na governação societária e divide-se em duas partes. Managing partner da Sérvulo coordena o Governance Lab.

Numa altura em que o escrutínio público sobre a forma como as empresas são governadas assume a maior importância, o Governance Lab publica a sua mais recente obra Administração e a Governação das sociedades.

O livro em causa dedica-se ao estudo do órgão de administração e da função por este desempenhada na governação societária e divide-se em duas partes: a primeira, de carácter geral, cuida dos temas centrais relacionados com a administração e governação societária, ao passo que a segunda inclui diversos estudos sobre a Administração em países de origem lusófona como Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

A obra, coordenada por Paulo Câmara, conta com os contributos de Rui Pereira Dias, Mafalda de Sá, Filipe Manuel Morais, Manuel Requicha Ferreira, Diogo Pereira Duarte, Abel Sequeira Ferreira, José Miguel Lucas, José Ferreira Gomes, Tiago dos Santos Matias, António Garcia Rolo, Joana Frade, Francisco Soares Machado, Lara Reis, Leonildo Manuel, Sofia Vale, José Romeu Amaral, Evandro Pontes, Raquel Spencer Medina, Telmo Ferreira, Kiluange Tiny, Yuri Ganga e Mónica Mendes da Silva.

A editora é, como habitualmente, o Grupo Almedina e as receitas do livro revertem para o projeto Casa dos Rapazes, um Centro de Acolhimento que ajuda os jovens a ter um projeto de vida, articulando com as suas famílias para permitir o seu regresso a casa.

O Governance Lab é um grupo independente dedicado à investigação e à reflexão crítica sobre temas relacionados com o governo das organizações, sejam estas privadas ou públicas, procurando, desta forma, contribuir ativamente para o progresso das práticas, das recomendações e das regras jurídicas aqui envolvidas. É composto por membros de proveniências profissionais e geográficas diversas, juntando profissionais ligados ao Direito e às Finanças de Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Macau. Foi criado em 2006, sendo coordenado por Paulo Câmara.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governance Lab: “A função da Administração na Governação de Sociedades” é o tema do mais recente livro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião