Antin assessorada pela Sérvulo na compra da Miya à Bridgepoint

A Sérvulo integrou a equipa multijurisdicional que assessorou a operação de aquisição, sendo de destacar a participação de Teresa Anselmo Vaz, sócia no departamento de Corporate M&A.

A Bridgepoint anunciou a conclusão da venda do controlo da Miya Water ao fundo Antin Infrastructure Partners.

A Antin foi assessorada pelo Deutsche Bank, Herbert Smith Freehills, Sérvulo, McConnell Valdés, PWACS Corporate Finance, PWACS, Defining Future Options, EY e a Marsh. A Bridgepoint foi assessorada pela Citi, Uría Menéndez, PwC Strategy&, EY, ERM e a Willis.

O negócio terá rondado os 600 milhões de euros. “Após a conclusão da aquisição, a Antin irá trabalhar com a equipa de gestão de Miya, liderada pelo CEO Amit Horman, para apoiar oportunidades de crescimento na área das concessões de água e PPP na Europa e na América do Norte, assim como no desenvolvimento de projetos de eficiência hídrica em todo o mundo”, avança a Bridgepoint, em comunicado.

O grupo Miya opera em diversas jurisdições do globo, tendo uma presença especialmente relevante em Portugal, por via do grupo Indaqua, que o integra. Importa referir que o grupo Indaqua detém diversas concessionárias a operar nos setores do abastecimento de água e saneamento de águas residuais em Portugal.

A Sérvulo integrou a equipa multijurisdicional que assessorou a operação de aquisição, sendo de destacar a participação de Teresa Anselmo Vaz, sócia no departamento de Corporate M&A, que coordenou a equipa da Sérvulo na operação, Ana Luísa Guimarães, sócia do departamento de Direito Público e Pedro Alvim, membro do departamento de Corporate M&A. É ainda de destacar a participação da LEAD Advogados, parceira da Sérvulo, na assessoria a esta operação, relativamente à jurisdição de Angola.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antin assessorada pela Sérvulo na compra da Miya à Bridgepoint

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião