Consumo de cimento em Portugal subiu quase 10% até julho

  • Lusa
  • 28 Setembro 2020

O consumo de cimento subiu 9,9% até julho para 2,1 milhões de toneladas. A concessão de crédito para a habitação também aumentou, no mesmo período, 6,4% para 6.273 milhões de euros, revela a AICCOPN.

O consumo de cimento em Portugal subiu 9,9% até julho para 2,1 milhões de toneladas, de acordo com a síntese estatística da habitação da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

“O consumo de cimento no mercado nacional regista um significativo crescimento, totalizando 2,1 milhões de toneladas até julho, o que corresponde a um aumento de 9,9% em termos homólogos acumulados”, indicou, em comunicado, a associação.

Citando dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), do Banco de Portugal (BdP) e do Governo, a AICCOPN indicou que a concessão de crédito para a compra de casa subiu 6,4% até julho para 6.273 milhões de euros.

Nos primeiros sete meses do ano, a emissão de licenças de construção nova e reabilitação de edifícios habitacionais pelas câmaras municipais cedeu 3,9%, enquanto o licenciamento de fogos em construções novas desceu 4,4% para 13.456 habitações.

Na área metropolitana de Lisboa, o número de fogos licenciados em construções novas, nos 12 meses terminados em julho, totalizou 4.911, menos 2,8% face ao período homólogo.

Por tipologia, 64,3% destes correspondem à T3 ou superior e 27,8% à T2.

Já a avaliação bancária na habitação aumentou, em julho, nesta região, 8,9%, em comparação com o mesmo mês de 2019, para 1.488 euros por metro quadrado (m2).

Em julho, a avaliação imobiliária na habitação, efetuada no âmbito do crédito hipotecário, avançou 8%, em comparação com o mesmo período do ano passado, para 1.127 euros por m2, “valor que corresponde a um novo máximo histórico”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consumo de cimento em Portugal subiu quase 10% até julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião