Maioria dos trabalhadores da UE tem pouca flexibilidade de horários

A flexibilidade é um assunto na ordem do dia, mas para seis em cada dez trabalhadores da UE, ainda são os empregadores que decidem quando começa e termina o dia de trabalho, revela Eurostat.

Para seis em cada dez trabalhadores da UE — o equivalente a 118 milhões em 194 milhões de trabalhadores –, o início e o fim do horário laboral é definido pelo empregador, pela empresa ou pelo cliente. Só 18% dos trabalhadores afirma ter total autonomia de decisão para decidir quando começa e quando termina o período de trabalho. Contudo, para a maioria dos trabalhadores é fácil dispensar uma ou duas horas de trabalho para assuntos pessoais à última hora, revela o relatório do Eurostat sobre a organização do trabalho e do horário laboral, divulgado esta quarta-feira.

Em Portugal, para 68% dos trabalhadores, o tempo de trabalho é decidido pela empresa, empregador ou cliente, sendo que só 16% tem total flexibilidade sobre o seu tempo de trabalho, revela o relatório.

Empregadores facilitam imprevistos

Apesar de não terem autonomia para decidir o seu horário de trabalho, quase 60% dos trabalhadores da UE afirma que raramente é confrontado com um pedido imprevisto que obrigue a alterar o horário de trabalho. Cerca de 21%, ou seja, cerca de um em cada cinco trabalhadores diz receber pedidos imprevistos pelo menos uma vez por semana, e 19% uma vez por mês.

O relatório aponta ainda que dois em cada três trabalhadores da UE conseguem facilmente tirar uma ou duas horas de folga à última hora. Já 66% considera “muito fácil” ou “relativamente fácil” abdicar de uma ou duas horas de trabalho para tratar de assuntos pessoais ou familiares. Por outro lado, 55% considera que a mesma facilidade se aplica à necessidade de tirar um ou dois dias de folga.

Bulgária, Lituânia e Hungria são os países com menos flexibilidade

Entre os Estados-membros, destacam-se a Suécia, Dinamarca, Holanda e Finlândia, países onde oito em cada dez trabalhadores consideram fácil ou muito fácil abdicar de algumas horas de trabalho para assuntos pessoais, com pouca antecedência de aviso. Por outro lado, não é tarefa fácil para os trabalhadores da Bulgária, Roménia e Eslováquia, que consideram “difícil” ou “muito difícil” fazê-lo.

Para os trabalhadores destes três países, a percentagem de decisão sobre o horário laboral por parte do empregador está acima da média europeia. No caso da Bulgária, em 80% dos casos é o empregador ou a empresa a decidir o tempo de trabalho e em 79% na Lituânia e Hungria. O mesmo acontece no Chipre, Croácia (74%) e na Letónia (73%).

Por outro lado, em países como a Finlândia esta é uma realidade para apenas 30% dos trabalhadores, na Suécia para 35% e, ainda, na Dinamarca, Luxemburgo e Holanda, só 49% dos trabalhadores têm o tempo de trabalho determinado pela empresa ou pela organização.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria dos trabalhadores da UE tem pouca flexibilidade de horários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião