Redução do preço dos passes diminuiu uso do carro próprio e poupou ambiente

  • Lusa
  • 30 Setembro 2020

O PART teve em 2019 um financiamento total de 102,2 milhões de euros provenientes do Orçamento do Estado e das autarquias,

O programa de redução tarifária nos transportes públicos levou à diminuição do tráfego rodoviário em 2019, principalmente nas áreas metropolitanas, reduzindo em 154 mil toneladas as emissões de dióxido de carbono, segundo um relatório do IMT.

Num relatório no qual analisa as medidas financiadas pelo Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) no ano passado, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) destaca que as medidas executadas “tiveram impacto no volume de tráfego rodoviário, tendo-se verificado redução destes volumes e abrandamento dos ritmos de crescimento em vários segmentos da Rede Nacional de Autoestradas, principalmente na AML [Área Metropolitana de Lisboa] e AMP [Área Metropolitana do Porto]”.

“Face ao aumento das taxas de ocupação do transporte público e abrandamento do tráfego rodoviário na AML e AMP, parece plausível admitir que se estava a verificar até ao final de 2019 uma transferência modal do transporte individual para o transporte público”, sublinhou.

No relatório, o IMT estima que a aplicação do PART “terá permitido a redução de 154 mil toneladas de emissões de CO2”, segundo uma estimativa que admitiu que a totalidade dos novos utilizadores de transporte público que foi possível determinar e que envolveu as duas áreas metropolitanas e nove CIM, terá deixado de utilizar o transporte individual nos nove meses em que vigorou o programa.

O PART teve em 2019 um financiamento total de 102,2 milhões de euros provenientes do Orçamento do Estado e das autarquias, 98,6% dos quais se destinaram a medidas de redução tarifária e 1,4% a medidas de aumento da oferta, segundo o IMT.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Redução do preço dos passes diminuiu uso do carro próprio e poupou ambiente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião